Cultura do Estupro, Prevenção à Violência e Promoção da Igualdade de Gênero

Cultura do Estupro, Prevenção à Violência e Promoção da Igualdade de Gênero

Segundo a tese de 2020 de Joana Rodrigues Moreira Leite [1], a expressão “Cultura do Estupro” originou-se na língua inglesa como “Rape Culture” e surgiu na década de 1970, difundida por ativistas feministas, as quais denunciaram que o estupro era uma violência frequente, mas silenciada. Naquela época, as mulheres que trouxeram o assunto a público divulgaram informações e conscientizaram a sociedade sobre a problemática do estupro que, até então, era tratado como uma doença do estuprador ou necessidade masculina, tendo em vista que o agressor estava agindo de acordo com seus instintos. Isso foi confirmado, por exemplo, quando mulheres indígenas e escravas foram forçadas a ter relações sexuais com “homens brancos”. Ou seja, essa cultura foi normalizada após a conquista europeia do Brasil, e a sociedade atual culpa as vítimas.

A cultura do estupro é um conjunto de comportamentos, atitudes e crenças que minimizam, toleram e até incentivam a violência sexual. Por meio de educação e sensibilização adequadas, é possível combater essa cultura e promover a igualdade de gênero, o respeito e a empatia. É fundamental que a sociedade assuma a responsabilidade de desconstruir essa cultura e criar um ambiente seguro e acolhedor para todos.

A cultura do estupro atravessa diversas esferas da sociedade, perpetuando atitudes e comportamentos que normalizam a violência sexual e sempre culpam as vítimas. A discussão aqui colocada busca explorar estratégias eficazes para desconstruir essa cultura, promover a conscientização e prevenir a violência de gênero.

Segundo Patrícia Galvão [2], em 26 de julho de 2016, no Brasil, a cada 11 minutos uma mulher é estuprada, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Além disso, de acordo com levantamento divulgado pelo IPEA em 2014, apenas 10% dos casos desse tipo de violência chegam ao conhecimento da polícia, 89% das vítimas são do sexo feminino e 70% dos crimes são cometidos por parentes, namorados ou amigos/conhecidos. A maioria dos estupros é praticada por indivíduos do sexo masculino. A cultura do estupro é um problema sistêmico que precisa ser confrontado de forma direta. Isso requer educação e conscientização sobre consentimento, respeito mútuo e igualdade de gênero. Além disso, é fundamental que haja consequências reais para os agressores e um sistema de apoio sólido para as vítimas.

É necessário que os homens que cometem o estupro sejam presos e penalizados, para que eles não continuem a propagar essa cultura. Ao responsabilizar os agressores, a sociedade envia uma mensagem clara de que o estupro não será tolerado e que as vítimas serão apoiadas em busca de justiça. Além disso, a punição legal serve como um meio de dissuasão para outros potenciais agressores, contribuindo para a prevenção desse tipo de crime.

De acordo com a Lei do Minuto Seguinte (Lei 12.845/2013), as vítimas de violência sexual têm direito a atendimento imediato pelo SUS, amparo médico, psicológico e social, exames preventivos e informações sobre seus direitos. Podemos perceber que há leis que garantem o apoio às vítimas de estupro. No entanto, muitas vezes, essas leis não são tão divulgadas e, por isso, muitas mulheres não sabem de sua existência, o que faz com que muitas vítimas fiquem em silêncio.

Infelizmente, em muitos casos, as vítimas de estupro são culpadas ou responsabilizadas por terem sido agredidas sexualmente. Alguns argumentam que a vestimenta, o comportamento ou as ações da vítima contribuíram para o ocorrido, desviando a responsabilidade do agressor. Usar o termo “cultura” nesse contexto reforça a noção de que podemos e devemos trabalhar para mudar os padrões sociais e estruturas que perpetuam a violência sexual e a culpabilização das vítimas [3]. Portanto, é necessário quebrar os rótulos criados pela sociedade e as normas culturais que perpetuam a cultura do estupro. É importante educar as crianças desde cedo sobre o respeito ao próprio corpo, o respeito mútuo e, o mais importante, respeitar um “NÃO” quando ouvi-lo. Além disso, é fundamental saber ouvir e respeitar as vítimas de estupro, orientando-as para que possam procurar seus direitos. Afinal, a responsabilidade de combater essa cultura tão cruel é de todos nós.

 

Referências

[1] LEITE, Joana Rodrigues Moreira. Pode a mulher falar? Discursos de mulheres vítimas de abusos sexuais/estupro. 2020. 245 f. Tese (Doutorado em Estudos de Linguagem) – Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Linguagens, Cuiabá, 2020 disponível em: <http://ri.ufmt.br/handle/1/3493>

[2] Agência Patrícia Galvão. Cultura do estupro: como ela é muito mais presente no Brasil do que você imagina. Disponível em: <https://agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/noticias-violencia/cultura-do-estupro>

[3] MEDEIROS, L. Como assim, cultura do estupro? | Politize! Disponível em: <https://www.politize.com.br/cultura-do-estupro-como-assim/>.




* As autoras são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2023 (janeiro a junho de 2024). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Gravidez na adolescência e educação sexual

Gravidez na adolescência e educação sexual

A gravidez na adolescência é um fenômeno complexo e preocupante que traz consigo uma série de desafios e consequências tanto para as mães quanto para os familiares e para a sociedade em geral. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) [1], a gravidez na adolescência é um grande desafio para a saúde pública no Brasil e, em 2020, a gravidez precoce totalizou 380.778 casos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) [1] destaca que a gestação nesta fase é uma condição que eleva a prevalência de complicações para a mãe, para o feto e para o recém-nascido, além da possibilidade de agravamento de problemas socioeconômicos já existentes. Isso ressalta a magnitude desse problema não apenas no Brasil, mas também globalmente, onde milhões de adolescentes enfrentam a gravidez precoce.

A falta de educação e orientação sexual adequadas tem sido apontada como uma das principais causas desse fator. Muitos adolescentes desconhecem os meios e métodos contraceptivos, e os riscos associados à atividade sexual desprotegida crescem cada vez mais. De acordo Cabral e Brandão (2020), em estudo publicado na revista Cadernos de Saúde Pública [2], a falta de uma educação sexual eficaz e abrangente é um fator que contribui para as altas taxas de gravidez na adolescência no Brasil.

A educação sexual é fundamental para fornecer aos adolescentes informações precisas e relevantes sobre contracepção, prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e desenvolvimento saudável das relações. Além disso, a educação sexual também desempenha um papel importante na promoção do respeito mútuo, da autoestima e do consentimento, ajudando assim a prevenir a gravidez não planejada e as consequências negativas associadas. Estudos na área de ciências sociais e saúde poderiam explorar o impacto da educação sexual na redução das taxas de gravidez na adolescência, bem como a eficácia dos programas de educação sexual nas escolas e comunidades. Além disso, poderiam investigar a influência de fatores socioeconômicos, culturais e familiares na tomada de decisões dos adolescentes em relação à atividade sexual e à contracepção.

Uma gravidez na adolescência tem consequências em diversos âmbitos para a sociedade, como na saúde mental e física das adolescentes, na vida profissional e na autonomia na fase adulta. Por isso, é tão importante que o tema seja encarado com sensibilidade e empatia pela sociedade como um problema sério, até porque a gravidez na adolescência é considerada de alto risco para as jovens mães, podendo acarretar diversos problemas de saúde, como aumento do risco de morte materna, hipertensão, anemia, aborto espontâneo, depressão pós-parto, entre outros.

É importante considerar que, nessa fase da vida, as jovens mães ainda não têm total maturidade para assumir uma responsabilidade tão importante quanto o papel de ser mãe. A gravidez na adolescência pode acarretar uma série de desafios físicos, emocionais e financeiros para toda a família. Os custos associados à gravidez precoce e ao parto, assim como os gastos com o sustento da criança, podem ser significativos e variar de acordo com o contexto em que a jovem está inserida. Dados do IBGE mostram que seis em cada dez adolescentes grávidas não estão envolvidas em atividades de estudo ou trabalho. Essa situação impacta direta e indiretamente a qualidade de vida das jovens mães e de suas famílias. Entre as adolescentes mães que estudam, muitas tendem a abandonar os estudos para criar os filhos, por não terem condições de pagar alguém para cuidar de seus filhos, e por isso acabam desistindo da escola.

Referências

[1] www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/2023/fevereiro/gravidez-na-adolescencia-saiba-os-riscos-para-maes-e-bebes-e-os-metodos-contraceptivos-disponiveis-no-sus

[2] Cabral, C. S.; Brandão, E. R.. Gravidez na adolescência, iniciação sexual e gênero: perspectivas em disputa. Cad. Saúde Pública, 36(8), 2020.




* As autoras são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2023 (janeiro a junho de 2024). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Refletindo sobre minha jornada de aprendizados

Refletindo sobre minha jornada de aprendizados

 

 

Desde pequena, o acesso a textos escritos era algo comum na minha casa e na comunidade em que vivia. Lembro-me claramente de ver meu tio lendo gibis, principalmente nos finais de semana. Era como um ritual para ele: pegava sua coleção de gibis, se acomodava no sofá e mergulhava nas histórias em quadrinhos. Eu achava aquilo fascinante, como ele parecia tão concentrado e entretido.

Além disso, meu tio-avô é escritor. Ele passava horas escrevendo ou editando algum texto. Às vezes, eu o via em sua escrivaninha, cercado de papéis e livros, com uma expressão séria enquanto digitava no computador ou fazia anotações. Ele sempre foi uma figura inspiradora para mim, mostrando o quanto a escrita e a leitura podem ser prazerosas. Crescer nesse ambiente me fez valorizar muito o mundo dos textos escritos, fosse lendo, escrevendo ou apenas observando os outros fazerem isso.

Antes de começar a frequentar a escola, eu já brincava de escrever letras de músicas. Eu devia ter uns cinco anos quando comecei a fazer isso. Não sabia escrever direito ainda, mas adorava imitar as letras das músicas que ouvia. Eu rabiscava no papel, fingindo que estava criando minhas próprias canções. Foi uma experiência divertida e, de certa forma, meu primeiro contato com a escrita.

Nos primeiros anos da escola, minha relação com a escrita foi muito positiva. Eu era motivada a escrever e adorava as atividades de redação. Lembro-me de escrever pequenas histórias, poemas e, claro, continuar com minha brincadeira de criar letras de músicas, mas agora de uma forma mais estruturada. A escola sempre incentivava a criatividade, e isso me fez gostar ainda mais de escrever.

Avalio o papel da escola nos meus letramentos iniciais como essencial. Foi na escola que aprendi as bases da leitura e da escrita, o que me permitiu explorar essas habilidades de formas mais complexas com o tempo. O ambiente escolar oferecia muitos estímulos e oportunidades para praticar e melhorar a escrita, e os professores sempre foram muito encorajadores.

A escrita teve um papel fundamental na minha decisão de fazer licenciatura em matemática. Embora pareça algo mais voltado para os números, a habilidade de se comunicar claramente através da escrita é muito importante. Além disso, a disciplina e a lógica que adquiri ao praticar a escrita ajudaram bastante nos meus estudos e na compreensão dos conceitos matemáticos.

Eu me recordo bem dos textos que lia e produzia na escola. Passei boa parte do meu tempo na biblioteca da escola, sempre em busca de novos livros e histórias. No Fundamental I, eu gostava de ler contos de fadas, fábulas e livros ilustrados. Produzia textos simples, como pequenas histórias sobre animais e amigos imaginários. No Fundamental II, meus interesses começaram a se diversificar. Eu lia muitas aventuras, mistérios e, claro, continuava apaixonada por gibis. Escrevia redações mais elaboradas, pequenos poemas e crônicas sobre o cotidiano escolar.

No Ensino Médio, comecei a me interessar por literatura clássica e textos mais complexos. Lia romances, poesias e livros de filosofia. Nessa época, me apaixonei por “A Moreninha”, de Joaquim Manuel de Macedo. Minhas produções textuais incluíam análises literárias, ensaios e reflexões sobre temas diversos. Minhas escolas sempre tinham biblioteca, e eu era muito motivada a frequentá-las. Os professores incentivavam o uso da biblioteca, e muitas atividades escolares envolviam pesquisas e leituras que eu adorava fazer.

Avaliando toda a minha vida escolar, noto várias mudanças nas minhas relações com a leitura e a escrita. No início, a leitura era mais recreativa e a escrita, uma forma de expressão simples. Com o tempo, ambas se tornaram mais profundas e críticas, passando a incluir análises e reflexões mais complexas. Notei que algumas mudanças na minha relação com a leitura e a escrita não foram motivadas diretamente pela escola. Por exemplo, o hábito de ler para relaxar e a prática de escrever diários e poesias surgiram por influência de familiares e amigos, e não necessariamente de atividades escolares.

Quanto às práticas com os números, elas sempre fizeram muito sentido para mim. Desde cedo, eu amava matemática. Encontrava prazer em resolver problemas e adorava quando percebia como os conceitos matemáticos se aplicavam a questões da vida real, como orçamento familiar, medições em projetos de arte ou até mesmo em jogos e estratégias.



SOBRE A AUTORA:

Rhanna Carolliny Santos Costa é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Dos quadrinhos à universidade

Dos quadrinhos à universidade

Antes de frequentar a escola, os textos aos quais eu tinha acesso eram a Bíblia, jornais e revistas. Em minha casa, eu sempre via meus pais lendo a Bíblia ou revistas, e meu irmão lendo livros didáticos. Eu amava tiras de quadrinhos, especialmente as da Mafalda. Como ainda não sabia ler, sempre pedia ao meu irmão para ler para mim, mas já entendia algumas coisas pelas figuras. Os primeiros livros que ganhei eram de uma coletânea de livros bíblicos, que vinha com um CD contendo histórias em áudio e algumas músicas para complementar.

Eu aprendi a contar com meu irmão e meus primos, brincando de esconde-esconde. Antes de ir para a escola, eu já reconhecia o dinheiro porque meus avós e minha bisavó sempre me davam moedas por executar determinadas tarefas, e eu sempre comprava guloseimas com essas moedas. Entrei na escola sem saber somar ou subtrair, mas tive muita facilidade para aprender e sempre me destaquei na matemática. A escola e a família desempenharam papéis importantes e diferentes quanto ao meu letramento matemático, mas avalio que a escola foi mais importante.

Eu aprendi minhas primeiras letras com uma amiga mais velha. Brincávamos de escolinha, e ela me ensinou a escrever meu segundo nome, Camila, e palavras simples quando eu tinha 5 anos. Entrei na escola aos 6 anos, e minha professora me pediu para escrever meu nome, mas eu não sabia escrever o primeiro nome, Elida. Assim, meus primeiros dias foram traumáticos. Nos meus primeiros anos de escola, sempre fui motivada a escrever pelas professoras. Cheguei a ganhar um prêmio de melhor redação da turma, recebendo um chaveiro, o que foi o máximo para mim. Sempre gostei mais de ler do que escrever. Acho que sou uma ótima leitora, mas não tão boa escritora.

A escola foi crucial para meu letramento inicial. No ensino fundamental I, eu sempre lia histórias infantis, mas foi no fundamental II que comecei a ler diversas obras literárias e me apaixonei pela leitura. No 6° ano, conheci a Turma da Mônica, e foi amor à primeira vista. No ensino médio, tive acesso na biblioteca da escola a grandes obras literárias, como Orgulho e Preconceito e O Morro dos Ventos Uivantes. Nessa época, a leitura para mim já era quase como um vício.

Agora, na universidade, leio os textos orientados pelos professores, mas não gosto tanto de ler esses textos quanto gosto de ler livros literários. Acho que o ensino médio não nos prepara para os desafios econômicos e burocráticos da vida adulta. O que mais sinto que não aprendi na escola foi a língua portuguesa. Acho que, se consigo escrever bem, é porque li muito e ainda leio, mas a escola em si nunca me cobrou ser melhor. Acho que os alunos que se formaram comigo, que não tinham o hábito de ler autonomamente, enfrentaram muitas dificuldades após o término do ensino médio.



SOBRE A AUTORA:

Elida Camila de Souza Marques é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Os livros e a leitura: portas abertas para o conhecimento

Os livros e a leitura: portas abertas para o conhecimento

 

 

 

 

Como a maioria das crianças da minha geração, fui alfabetizado em uma escola da zona urbana de uma pequena cidade do interior. Em 2004, no auge dos meus 6 anos, não era comum ter em casa computadores, smarTVs e muito menos celulares. Logo, toda a minha alfabetização ocorreu por meio de livros e cartilhas.

Antes mesmo de começar a primeira série, já sabia ler, fato esse que me enchia de orgulho. Saber ler me permitia participar das leituras nos cultos e missas aos domingos. Minha família me considerava extremamente inteligente por ter aprendido a ler tão cedo. Eu era o orgulho da vovó, que na época também estava aprendendo a ler e assim podia ajudá-la escrevendo cartas para o Divino Pai Eterno, pois ela tinha um sonho de receber uma carta do padre Robson.

Ler bem me fazia receber muita atenção dos meus familiares. Apesar dos poucos recursos, adorava ler o nome das capitais com meu pai e descobrir o nome dos países nos mapas. Meu pai sempre me dava livrinhos com historinhas, e minha mãe comprava aquelas revistas que vendedores levavam na escola. Tudo isso me incentivava a ler mais. Assim, a leitura se tornou uma paixão que me acompanha até hoje.

Na minha primeira série, minha primeira professora, a de Aparecida, além de suas aulas regulares, organizava grupos de estudos em sua casa pela manhã, onde ela avaliava a nossa leitura com o intuito de aprimorá-la. Eu adorava participar, pois sempre que lia corretamente, ganhava um doce. Nunca perdia um. A professora de Aparecida sempre dizia: “Quem lê mais, sabe mais.” Hoje, compreendo essa verdade e, trabalhando em uma escola, percebo a importância de os alunos aprenderem a ler e gostarem de ler o quanto antes. Isso abrirá um novo mundo para eles de todas as formas, fazendo com que de fato saibam mais.

Atualmente, curso duas faculdades e uma pós-graduação. Grande parte das minhas leituras são artigos, textos acadêmicos ou livros com enfoque educacional, que enriquecem meu conhecimento e aprimoram meu senso crítico. Portanto, ter o hábito de ler não só enriquece nosso conhecimento, mas também abre portas para novos mundos e possibilidades. Leia mais e descubra o quanto você pode aprender e crescer.



SOBRE A AUTORA:

Ritha de Kassia Coelho Fernandes é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Minhas memórias de letramento

Minhas memórias de letramento


Desde cedo, o acesso a textos escritos em casa e na comunidade era algo comum para mim. Lembro-me de ver outras pessoas lendo, escrevendo ou manuseando livros, folhetos, jornais e revistas, principalmente durante momentos de lazer ou em situações cotidianas, como na escola ou em reuniões familiares. Minha introdução aos livros e textos mais elaborados também ocorreu cedo, por meio de quebra-cabeças, CDs interativos e outros materiais semelhantes, que despertaram minha curiosidade e interesse pela leitura.

Minha experiência com a matemática começou em casa, onde aprendi a contar e a reconhecer o valor do dinheiro. Quando entrei na escola, já tinha alguma noção de contas básicas, mas foi lá que aprofundei esses e outros conhecimentos. Acredito que tanto a escola quanto a família desempenharam papéis fundamentais nesse processo, complementando-se na construção do letramento matemático inicial.

Antes de frequentar a escola, eu já escrevia algumas coisas simples, como meu nome e palavras básicas, mas foi na escola que aprendi as primeiras letras de forma mais estruturada, aos sete anos de idade. Nos primeiros anos escolares, minha relação com a escrita era bastante exploratória, escrevendo principalmente textos narrativos simples e descrevendo experiências pessoais.

Ao longo da vida, ocorreram mudanças significativas na minha relação com a leitura e escrita. Inicialmente, eram atividades mais lúdicas e exploratórias, mas com o tempo, tornaram-se mais acadêmicas e direcionadas a objetivos específicos, como estudos e trabalhos universitários. No que diz respeito à matemática, as práticas com números sempre fizeram sentido para mim, pois eram facilmente aplicáveis à vida real. Essa relação prática contribuiu para uma compreensão mais sólida desses conceitos.

No primeiro ano de universidade, meus hábitos de leitura e escrita passaram por transformações significativas. A exigência de textos mais complexos e a necessidade de produção acadêmica trouxeram desafios, mas também possibilitaram um maior aprofundamento nos estudos. Essas mudanças trouxeram aspectos positivos, como o desenvolvimento de habilidades mais avançadas de leitura, escrita e matemática, além de uma maior autonomia intelectual. No entanto, também trouxeram desafios, como a necessidade de lidar com textos mais densos e complexos e a pressão pelo desempenho acadêmico.

No que se refere à veracidade dos textos diversos que nos cercam, acredito que seja importante estar atento e utilizar fontes confiáveis. Quanto aos conteúdos de língua e matemática que tive acesso ao longo da minha vida escolar, sinto que poderiam ter sido mais abrangentes em alguns aspectos. No entanto, considero que administro bem minhas questões financeiras, e acredito que o ensino médio tenha contribuído para isso, preparando-me para lidar com desafios nessa área.



SOBRE A AUTORA:

Maria Aparecida Luiz dos Santos é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

A importância do incentivo

A importância do incentivo


Desde minhas memórias mais tenras, lembro-me de ficar sentadinha na biblioteca do meu avô, em seu escritório, enquanto ele estava à mesa lendo seu jornal Estado de Minas. Eu ficava ali ao lado com uns lápis e um pedaço de papel que embrulhava as flores. Às vezes, ia para a prateleira onde havia várias enciclopédias, mas sempre era alertada: “Muito cuidado, esses livros não são para você!”. O máximo que podia fazer era viajar pelo atlas gigante que ali existia. Quando me cansava de estar ali ou quando ele ia receber algum cliente, saía para brincar no meio das plantas e brincar de vendedora.

Em minha casa, com minha mãe, sempre fazíamos o devocional, mas era chato por ser sempre muito cedo, e as leituras eram longas e monótonas. Mas todos os dias tínhamos, e o que eu gostava mesmo era ver minha mãe todos os dias de madrugada fazendo sua leitura da Bíblia. Na igreja, era divertido, pois a tia gostava de contar histórias em um livro ilustrado bem grande, e ela sempre contava as histórias com entusiasmo e alegria.

Mas, infelizmente, quando fui para a escola, foi minha maior tristeza, pois na minha sala só havia meninos e apenas eu de menina. A professora tinha seis dedos em cada pé, uma história de palmatória e uma régua de madeira de metro. Eu, sentadinha lá atrás, no canto da sala, me esforçava para reconhecer e aprender. Era surpreendida com uma reguada na mesa que me fazia pular, e também me lembrava das gargalhadas dos meus colegas com meu susto. Era sempre chamada de burra no recreio, e para piorar, ainda tinha meu nome, que por ser de uma história bíblica que minha mãe lia, eu sempre falava assim: “Hadassa rainha Ester”, e isso sempre era motivo de chacota, além de me colocarem todo tipo de apelido. No final, ainda repeti de ano mesmo tendo conseguido nota. Me lembro que no meu boletim era 63, mas a professora, com todo seu conhecimento, convenceu minha mãe a me fazer repetir a 1ª série, pois na 4ª série eu teria dificuldade para acompanhar os demais. Escrevo isso e ainda me vem uma tristeza, pois me lembro do quanto me esforçava. Fato é que lá na bendita 4ª série estava eu repetindo, pois realmente era péssima em português e na leitura. E por aí fui rompendo, e sinceramente, as experiências com a leitura foram apenas piorando a cada dia.

Na adolescência, minha mãe, ao descobrir que eu estava namorando, ao invés de conversar comigo, me deu três livros como castigo. Nem me pergunte o nome, pois não faço ideia, apesar de ter feito um resumo de cada um deles. E toda vez que fazia algo de errado, era me dado um livro para ler, e o ódio pela leitura apenas aumentava.

Mas, depois de já crescida, ao me ver grávida, decidi pegar um livro sobre educação infantil para aprender algo sobre ser mãe. Esse livro foi o primeiro que devorei. Tinha 587 páginas com letras minúsculas, e lá, além de descobrir o quanto era benéfico a leitura, percebi o quanto a literatura me fez crescer como pessoa. Depois desse, passei a andar pelas lojas sempre buscando um novo título interessante. E cada vez mais fui evoluindo na leitura e na grafia. Ainda não tenho uma gramática perfeita, mas já evoluí bastante do que era. Depois veio o desejo de estudar, de crescer mentalmente, pois ali descobri que o conhecimento poderia me abrir horizontes. Também entendi que minha mãe, da maneira dela, queria apenas que eu abrisse a minha mente, mas eu não tinha tido boas experiências com a literatura, pois ela sempre me era colocada de maneira chata, como castigo.

Em minha casa não tinha televisão nem rádio, pois era coisa do capeta, assim dizia minha mãe. “Deus não está nisso, se você assistir, Deus vai te castigar”, dizia ela. Meu pai trazia umas televisões pequenas de tubo que tinham aqueles botões redondos preto e branco, mas minha mãe pegava e jogava pela janela, e meu pai ficava triste, calado, e ia ler os livros de faroeste dele, que minha mãe também odiava que ele ficasse ali deitado lendo. Quando ele saía, ela pegava aqueles livros e fazia fogueira, sempre xingando e falando que era do capeta.

Após meu conhecimento e evolução, procuro ponderar os meus incentivos literários e tecnológicos, pois acredito que minhas ações vão influenciar positivamente ou negativamente na evolução das pessoas ao meu redor. Busco fazer minhas leituras em horários que minhas filhas estão acordadas, para que elas vejam e desejem, e isso tem dado certo. Por elas mesmas, têm buscado suas leituras. Além disso, quando elas eram menores, sempre tiveram livros disponíveis entre os brinquedos para que pudessem ter acesso a eles. Quando íamos à casa do meu avô, buscava orientá-las para que tivessem cuidado ao folhear os livros da prateleira, as auxiliando para que não viessem as broncas do bisavô. Inclusive, elas adoram ler o livro das baleias que está ali.

As séries, filmes de princesa e desenhos são liberados, e alguns são orientados para que evitem, pois não as edificam. Mas sempre com cuidado para não ter ruptura de laços e encanto. Acredito que tenho grande impacto na evolução das gerações que estão chegando. Busco sempre orientar e viver como desejo que o mundo seja.

Sei o poder que a literatura tem sobre a evolução do ser humano. Ela pode levar a outros mundos, reais, ilusórios, criativos, e apresenta a diversidade social e cultural. É uma contribuição real para a disseminação de culturas. Por isso, acredito que ao fomentar um ambiente rico em leituras e aprendizagens, estamos não só moldando o presente, mas também plantando as sementes de um futuro mais consciente e informado.



SOBRE A AUTORA:

Hadassa Altivo Ferraz  é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Construindo memórias

Construindo memórias


 

Durante a minha infância, eu não tinha contato com livros ou textos. Morava com a minha avó e, creio que pelo fato de ela não saber ler, não havia opções de livros em casa. Lembro que, quando ia brincar na casa das minhas amigas, percebia que a mãe delas sempre deixava uma bíblia aberta em uma mesa ao lado da imagem de Nossa Senhora Aparecida. Como toda criança curiosa, eu a olhava e folheava, mas não compreendia o que havia escrito.

Outro local em que tive contato com textos foi na igreja. Todo domingo frequentava a missa com minha avó, onde sempre eram distribuídos folhetos com a liturgia. Eu gostava muito de olhar aquela folha cheia de letras, mas ainda não conseguia compreender sobre o que se tratava.

Outro momento em que tive acesso a outras mídias foi com CDs e DVDs. Em nossa casa, havia um som e uma televisão daquelas de tubo. Meu tio sempre escutava música no som, e enquanto ele fazia a troca dos CDs, eu observava curiosa as capas, que me chamavam a atenção. Sempre perguntava a ele o que estava escrito na capa. Ele me respondia lendo o nome de várias músicas e as colocava para tocar para que eu pudesse escutar. Já a televisão era mais utilizada pela minha avó, que adorava assistir a novelas à noite. Eu sempre gostei de assistir aos desenhos que passavam logo após o almoço.

Com seis anos, comecei a frequentar a escola e foi aí que tive meu primeiro contato com outros livros, além da bíblia. No início, não tinha conhecimento de quase nada em relação à escrita, não conhecia os números nem as letras. No meu primeiro dia de aula, fiquei com um pouco de medo, pois nunca havia ficado em um ambiente sem alguém da minha família, mas logo fui me acostumando.

De início, a professora começou a trabalhar letras e números. Logo depois, ela nos ensinou a escrever nosso nome. Ela sempre nos levava para um espaço onde havia vários livros, escolhia um e fazia uma roda para que começasse a ler a história. Todos nós ficávamos muito encantados com o fato de um livro cheio de letras conter uma história tão boa. Após a leitura, a professora nos perguntava sobre o que foi lido, e nós respondíamos o que havíamos entendido. Depois da leitura em conjunto, ela nos deixava olhar os outros livros daquele espaço, e eu amava folheá-los, principalmente os que tinham imagens.

Ao final do primeiro ano do ensino fundamental, eu já sabia juntar sílabas e formar palavras, além de ler pequenos textos. Como toda criança em período de alfabetização, eu tinha minhas dificuldades na escrita, que foram corrigidas através de atividades que a professora passava. Uma lembrança muito boa que tenho dessas atividades é a forma como eram impressas no mimeógrafo, um tipo de impressora antiga que utilizava álcool para possibilitar que a tinta de uma matriz transferisse as imagens e a escrita para uma folha de sulfite.

Outra atividade que a professora passava muito era o ditado, usado para avaliar nossa ortografia e, assim, trabalhar mais nas dificuldades diagnosticadas. Até o quinto ano do ensino fundamental foi uma época de muito aprendizado e evolução na escola. Foi nesse período que aprendi a ler, somar, criar textos e interpretá-los.

Do sexto ao nono ano, no ensino fundamental II, começaram novos desafios na minha aprendizagem, como as várias disciplinas, que me ensinaram, antes de tudo, a me organizar para que pudesse compreender cada uma delas. Um dos momentos que mais gostava nesse período era quando íamos para a biblioteca escolher um livro para ler e depois fazer resumos sobre o que foi lido. Um dos livros que escolhi se chamava “Capitães da Areia”, de Jorge Amado, que narrava a vida de crianças abandonadas que viviam nas ruas de Salvador. Esse é um dos melhores livros que já conheci.

Já no ensino médio, novos desafios foram surgindo. Lembro-me de que realizei muitos trabalhos, e um que me marcou foi um teatro que retratou momentos do modernismo, baseado em obras literárias. Nesse período, também tive a oportunidade de fazer a prova do Enem, cujo resultado me trouxe ao curso de pedagogia na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, a UFVJM. Essa trajetória de descobertas e desafios me mostrou o poder transformador da educação e da leitura, e é essa paixão que pretendo levar adiante na minha carreira de pedagoga.



SOBRE A AUTORA:

Eliane Simões de Oliveira  é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Revivendo minhas lembranças da escola

Revivendo minhas lembranças da escola


Nas minhas lembranças, sempre me vêm minha mãe e minha irmã mais velha, Jussara, me ensinando muitas coisas sobre as letras e os números. As duas sempre brincavam de escolinha comigo e minhas outras duas irmãs, Jessica e Tatiana. Tive contato com outros tipos de textos não escritos, como o rádio, por intermédio do meu pai, que gostava de ouvir. Minha mãe me apresentou as novelas e os jornais, dizendo que nos mantinham informados sobre o que acontecia pelo mundo.

Quando minha mãe começou a trabalhar em uma creche, ela conseguiu vaga para mim e para minha irmã mais nova, Jessica, estudarmos lá. Foi um mundo novo para nós, pois interagir com novas crianças era muito legal. Dentre as tarefas dadas, o que mais gostava de fazer era pintar e ouvir histórias. Aqueles eram os melhores momentos na creche.  Contudo, não via a hora de chegar em casa e ouvir minha irmã Jussara ler os gibis da Turma da Mônica para mim. Sempre amei como ela lia, pois me fazia viajar em cada cena.

Quando fui para a escola, graças à minha mãe e à Jussara, já sabia muita coisa, como escrever meu nome e outras palavras, contar e até ler um pouco. Minha mãe sempre dizia que a escola é nossa segunda casa, pois era onde passávamos mais tempo depois da nossa casa, e onde as famílias deviam estar inseridas, como uma só família. Ela defendia que esse contato influenciava nosso desenvolvimento, tanto em aprendizados formais quanto nas interações sociais.

A lembrança mais marcante que tenho da escola foi na 3ª série, com a professora Jadete. Após aquele ano de estudo com ela, eu quis seguir a profissão de professora, pois, no meu ponto de vista, a metodologia dela era perfeita para o aprendizado. Ela procurava maneiras de interagir com os alunos de forma que todos participavam. Usava jogos matemáticos, disputas de escrita, leituras, dentre outras artimanhas. Com a professora Jadete, cada conquista no aprendizado era motivo de festa.

Nesse período do ensino fundamental, todo ano eu mudava de escola, o que parou de acontecer após a 5ª série. Contudo, foi uma época em que todas essas escolas contavam com bibliotecas, e cada uma delas tinha uma maneira de incentivar a leitura e a escrita. Podia ser no recreio, com a barraca de leitura, onde havia livros, gibis e revistas para todos os estudantes terem um acesso mais rápido à leitura durante o intervalo. Já na barraca móvel, eram oferecidos outros lugares para ler e havia disputas de qual turma declamava melhor sobre o texto. Em outra escola, havia a caixa do correio, onde qualquer um podia mandar cartas para os outros colegas e professores; todos aqueles envolvidos no ambiente escolar podiam participar. Era muito legal, com declarações de amor anônimas e cartas de amizade, entre outras. Em outra escola, havia o recital poético, onde os próprios estudantes realizavam seus poemas e poesias e depois os declamavam para os outros, com premiações no final. Esses projetos tinham ênfase em incentivar a leitura e a escrita.

Em 2008, entrei para a faculdade de licenciatura em física no IFNMG de Januária, curso que, infelizmente, não concluí por motivos particulares. Mas, no período que frequentei, pude perceber o sentido de estudar certos conteúdos, principalmente na área de matemática, que na época do ensino fundamental e médio não via sentido. Com todas essas experiências, tanto na infância quanto na minha breve passagem pela faculdade, compreendi a importância de um ambiente educativo enriquecedor e o impacto duradouro que ele pode ter no desenvolvimento e nas escolhas de uma pessoa.



SOBRE A AUTORA:

Christiany Dias Mota é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Minha breve história com a educação

Minha breve história com a educação


 

Tenho 24 anos, moro na cidade de Grão Mogol, Minas Gerais, na zona rural do município. Trabalho na Escola Francisco Pereira do Nascimento, onde também sou estagiária, uma etapa necessária para me tornar professora. Estou cursando o 6° período de Pedagogia na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), o que me proporcionou a oportunidade de ingressar na área da educação.

Sinto imensa gratidão pelo curso, que me permite realizar meus sonhos e alcançar meus objetivos. É muito gratificante adquirir e construir novos conhecimentos junto aos colegas e professores da universidade. No entanto, enfrento alguns desafios ao longo do meu percurso, como o estudo a distância, que exige total dedicação e disciplina do aluno. Com perseverança, vou alcançando minhas metas.

Minha história na educação começou na pré-escola, onde estudei na escola em que trabalho atualmente. Tenho boas lembranças das apresentações de trabalhos teatrais e culturais, que despertavam bastante interesse e proporcionavam diversão, como nas “Tardes Literárias”, onde os alunos realizavam teatros, declamação de poemas e leituras de diversos textos. Lembro-me também do período em que terminei o 9° ano e estava prestes a começar o 1° ano do ensino médio, quando descobri minhas habilidades nas artes. Foi nesse momento que comecei a desenhar e pintar quadros. Recordo-me dos elogios da diretora e dos professores às minhas pinturas e desenhos. Na escola, também lembro de como sempre fui uma criança muito tímida, o que me trazia desvantagens no ambiente escolar e na socialização. Com o tempo, fui me adaptando melhor.

Por isso, acredito na importância de um bom desempenho escolar, que proporciona aos alunos um acolhimento fundamental para o aprendizado, contribuindo na formação e no desenvolvimento de habilidades essenciais, por meio do exemplo e da edificação de valores. Cada estudante que chega traz um turbilhão de sentimentos, como medo do novo, a necessidade de fazer novos amigos e a expectativa de um novo ano escolar. Assim, espero continuar a crescer e a contribuir positivamente para a educação, ajudando a construir um ambiente acolhedor e estimulante para todos os alunos.



SOBRE A AUTORA:

Milena Oliveira Murça de Aguiar é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Das histórias bíblicas à minha pequena biblioteca

Das histórias bíblicas à minha pequena biblioteca

Era muito comum o acesso a vários textos na minha casa quando eu era mais jovem. Quando aprendi a ler, o acesso a livros, revistas e jornais, tanto no ambiente escolar quanto no cotidiano, era fácil. Era comum ver diversas pessoas lendo revistas, folhetos e, principalmente, a Bíblia. Por crescer em um ambiente muito religioso, meu primeiro contato com a leitura foi um livro de histórias intitulado “Meu Livro de Histórias Bíblicas”. A leitura constante desse livro me ajudou a melhorar meu aprendizado e, hoje em dia, ainda leio artigos religiosos. Também gosto muito de livros e mangás

Não tenho lembranças de como aprendi a contar, mas lembro muito bem de que comecei contando até o número 13, que hoje em dia é meu número da sorte. Acho que cada um tem um número especial, e o meu é esse. Em relação a valores monetários, sempre tive dificuldade, pois minha infância foi muito difícil no aspecto financeiro, já que minha família não tinha muito dinheiro. Porém, lembro-me muito bem do meu primeiro contato com dinheiro, quando comecei a vender sobremesas para minha avó no centro da cidade, em “dias cheios”.

Na escola, eu sempre fui bem em matemática. Muito curioso, comecei a somar um pouco antes de aprender na escola, mas, como é de se esperar, eu conseguia realizar apenas operações bem simples, como 10 – 2. Mas, pelo fato de já saber, deixei minha professora impressionada. Em matemática sempre fui avançado, principalmente quando comecei a ter acesso à internet, pois gostava bastante de resolver problemas e ver vídeos curtos sobre eles, o que me ajudou muito quando entrei no Ensino Fundamental II. Na época, tive bastante incentivo familiar, mas o que mais me ajudou foi o incentivo dos meus colegas de escola. Acho que o fato de sempre ficarem surpresos com o meu conhecimento me fazia querer continuar sendo essa pessoa sábia.

Quando entrei na escola, eu tinha pouco domínio da escrita, mas sabia escrever meu nome e algumas palavras. Com relação à leitura, sempre tive dificuldades. A escola, logicamente, foi o que mais teve impacto em minha educação, pois foi fundamental para meu aprendizado na escrita e leitura.

Meus gostos de leitura sempre se mantiveram em quadrinhos. No Ensino Fundamental I, eu amava histórias em quadrinhos como Turma da Mônica e O Menino Maluquinho. No Ensino Fundamental II, mantive os mesmos gostos, porém com outras obras, como, por exemplo, o livro do “Demolidor”, que eu gostava tanto que ganhei o primeiro lugar em uma apresentação sobre o livro. Já no Ensino Médio, minhas obras favoritas eram os mangás, que nada mais são do que histórias em quadrinhos japonesas. Atualmente, esse é meu estilo dominante de leitura.

Em ambas as escolas em que estudei havia biblioteca, que eram espaços muito legais. A frequência sempre foi motivada pelos professores para lermos. Acho que isso me ajudou muito, pois até hoje tenho gosto pela leitura.

A minha prática com os números sempre era colocada em prática no meu dia a dia. Como dito anteriormente, meu número favorito é o 13 e até hoje, quando eu saio na rua, eu sempre tenho a mania de olhar as placas de carros e, com os números, fazer cálculos até chegar ao resultado 13. É divertido. Há outras maneiras que coloco os números nas minhas práticas, como, por exemplo, quando dou passos um pouco mais largos, a fim de que tenham mais ou menos 1 metro.

Mas nem tudo são flores e notei bastante diferença entre a universidade e a escola. Por exemplo, na escola, por termos que aprender regras sobre a língua portuguesa formal, não íamos com grande frequência à biblioteca, mas no Ensino Médio éramos incentivados a ler livros que eram cobrados no plano de ensino. Já na universidade, temos grande frequência de práticas de leitura de uma grande diversidade de livros que nos auxiliam no aprendizado. Isso acarreta, de forma positiva, em nosso aprendizado, pois temos várias fontes de estudo. O lado negativo é a dificuldade de conciliar tudo com a vida pessoal, especialmente para quem trabalha e tem família.

Atualmente, eu tenho lido bastante, não só as recomendações de professores, como também obras à parte. Estou com um projeto em andamento de uma pequena biblioteca, que conta com vários livros e coleções, de “Sherlock Holmes” a “One Piece”. No entanto, tenho leve dificuldade em ler recomendações universitárias.

Felizmente, sei lidar bem com minha questão financeira, porém esse aprendizado não veio por meio da escola, onde não eram abordadas questões econômicas. Ou seja, eu aprendi várias coisas por vontade própria, ou passaria dificuldades. Atualmente, sigo, nas redes sociais, diversas pessoas que mostram o bom resultado de saber lidar com seu dinheiro, e leio muitas obras a respeito, como, por exemplo, a obra “O Homem Mais Rico da Babilônia”.

A jornada de aprendizado e crescimento que experimentei ao longo dos anos, desde a infância até a universidade, moldou profundamente minhas habilidades e interesses. O amor pela leitura, iniciado com histórias bíblicas e expandido para quadrinhos e mangás, foi essencial para meu desenvolvimento intelectual e pessoal. Da mesma forma, minha curiosidade e aptidão em matemática, incentivada tanto pela família quanto pelos colegas, estabeleceram uma base sólida para meu sucesso acadêmico. Hoje, vejo como cada etapa, cada livro lido e cada problema resolvido contribuíram para quem sou. Continuo a valorizar o conhecimento e a busca por novas aprendizagens, sempre equilibrando os desafios acadêmicos com a vida pessoal. Esse equilíbrio e a contínua dedicação à leitura e ao aprendizado são, sem dúvida, a chave para um futuro promissor. Espero conseguir me empenhar para continuar minha jornada.



SOBRE O AUTOR:

Natanael Gomes é graduando da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Memória de letramento escrito e matemático

Memória de letramento escrito e matemático

 

Nos meus primeiros anos de vida, em casa, o ambiente era permeado por jornais e revistas que minha mãe trazia das casas onde trabalhava como empregada doméstica. Lembro-me vividamente de observar meus pais, especialmente minha mãe, folheando os jornais para se atualizarem com as notícias do dia. Era um ritual diário, onde eles se sentavam à mesa da cozinha, mergulhavam nas páginas impressas e discutiam os acontecimentos do mundo.

Naquela época, minha casa também abrigava uma vitrola imponente, com uma coleção diversificada de discos de vinil que adornavam a estante. Aquelas tardes em que os vinis eram colocados para tocar eram momentos de pura magia para mim, perdido na melodia e nas histórias contadas pelas músicas.

Foi somente na escola que tive meu primeiro contato sistemático com a matemática. Lá, em salas de aula repletas de crianças curiosas, aprendi os fundamentos dos números, das operações básicas e da resolução de problemas. Esses conceitos matemáticos, que antes pareciam tão abstratos, tornaram-se cada vez mais tangíveis e aplicáveis à medida que avançava nos anos escolares. Foi naquele ambiente de aprendizado que também desbravei o mundo da leitura e escrita. Lembro-me da emoção de decifrar as primeiras palavras e de formar as primeiras frases com o auxílio paciente dos meus professores.

A escola desempenhou um papel fundamental nos meus processos de letramento. Apesar de, na época, eu não demonstrar muito interesse pela leitura, os esforços e incentivos dos meus professores plantaram sementes que floresceriam mais tarde na minha vida. Hoje, reconheço a importância daqueles momentos de aprendizado e como foram essenciais para moldar minha relação com a linguagem escrita e os números.

No contexto profissional, percebo claramente como o letramento adquirido na escola se tornou uma ferramenta indispensável. Seja na redação de relatórios, na interpretação de dados ou na comunicação escrita com colegas e superiores, as habilidades desenvolvidas ao longo dos anos escolares se revelam cruciais para o desempenho eficaz das minhas funções.

Na minha jornada acadêmica, a paixão pela leitura que sempre carreguei desde a infância foi um grande trunfo. Quando ingressei no curso de física, já tinha o hábito de devorar livros e artigos, o que facilitou a adaptação aos textos universitários mais densos. O gosto pela literatura não apenas tornou a absorção do conhecimento mais prazerosa, mas também contribuiu para o aprimoramento da minha comunicação escrita e oral.



SOBRE O AUTOR:

Robson Rodrigues Dias é graduando da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Minha vida escolar

Minha vida escolar

Ao iniciar minha jornada escolar, eu não sabia ler nem escrever. A contagem de números, aprendi de forma lúdica, nas brincadeiras de rua, com meus irmãos e vizinhos, como pique-esconde. Logo no primeiro ano do ensino fundamental, descobri a magia de escrever meu próprio nome, um marco inicial em minha trajetória educacional. Apesar de já ter alguma noção de números, adquirida nas brincadeiras infantis, logo percebi que o universo dos números ia muito além do que imaginava, infinitamente, o que despertou em mim uma verdadeira paixão pelos cálculos e pela matemática.

Naquela época, tive acesso a alguns livros de leitura pertencentes à minha irmã mais velha, que já frequentava a escola. Além disso, observar as pessoas lendo a Bíblia e os folhetos nos cultos religiosos despertava minha admiração pela habilidade deles na leitura. A interação entre a escola e minha família desempenhou um papel essencial na minha jornada de letramento. Lembro-me vividamente de um diário customizado pela professora, tia Cláudia, no qual éramos encorajados a registrar nossa rotina durante as férias, uma prática que contribuiu significativamente para o desenvolvimento da minha escrita.

A trajetória escolar foi marcada pela influência positiva dos professores e pela atmosfera acolhedora do ambiente educacional. No ensino fundamental, as aulas eram repletas de brincadeiras, músicas e histórias, o que tornava o aprendizado leve e prazeroso. No entanto, ao adentrar o ensino médio, percebi a necessidade de assumir responsabilidades e compromissos mais sérios. Enquanto na matemática me destacava, desafiando-me com cálculos complexos e tabuadas, enfrentava dificuldades em disciplinas como geografia e biologia, que me exigiam um esforço adicional para compreender os conteúdos.

O desejo de seguir a carreira de professora e proporcionar um futuro melhor para minhas filhas foi o principal impulso para cursar o ensino superior. Lembro-me com carinho das aulas de matemática, repletas de desafios lançados no quadro e tabuadas, que sempre foram minha paixão. No entanto, no ensino médio, enfrentei dificuldades com gráficos e figuras geométricas, mas, mesmo diante dos obstáculos, mantive um desempenho acadêmico exemplar. Os professores, embora sérios, transmitiam o conteúdo de forma envolvente, despertando em mim uma verdadeira paixão pela matemática e servindo como inspiração para minha futura carreira.

Ao ingressar na faculdade, redescobri o prazer pela leitura, algo que havia perdido após a formatura no ensino médio. A experiência acadêmica me proporcionou não apenas o desenvolvimento intelectual, mas também a oportunidade de retomar hábitos de leitura que haviam sido negligenciados. Atualmente, após um ano de curso, percebo uma mudança significativa, pois agora busco avidamente o conhecimento em todas as formas de texto, não apenas nos conteúdos sugeridos pelos professores, mas também em notícias, folhetos e jornais. Estou preparada para enfrentar um novo semestre, repleto de desafios e aprendizados, com a experiência adquirida e uma sede insaciável por conhecimento.



SOBRE A AUTORA:

Viviane Soares Silva é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Memórias da Cartilha Caminho Suave

Memórias da Cartilha Caminho Suave


 

Durante minha infância, até os 5 anos de idade, morávamos na zona rural eu, meus pais e minha irmã mais velha, que naquela época tinha 6 anos. O acesso à escola apresentava algumas restrições, como a distância. Mesmo diante de tais dificuldades, foi possível ter contato com os primeiros textos escritos através da cartilha alfabetizadora da época, chamada “Cartilha Caminho Suave”.

O livro era emprestado por uma tia que lecionava na zona urbana. Naquele momento, ainda sem frequentar a escola, foi minha mãe, com muita determinação e carinho, que nos pré-alfabetizou, a mim e a minha irmã mais velha.

Recordo-me que a cartilha era bem simples e associava imagens e letras com o objetivo de facilitar a aprendizagem. Graficamente, apresentava as letras escritas na imagem, relacionando as duas formas de maneira visual. Por exemplo, a letra “V” era escrita com a silhueta no formato dos chifres da vaca, semelhante a um V, entre outras.

Ao completar 6 anos de idade, mudamos para a cidade e então tivemos acesso à escola formal. O fato de já estarmos pré-alfabetizadas facilitou minha compreensão e permitiu acompanhar a turma sem muitas dificuldades. Minha relação com os números, por sua vez, começou quando ingressei na escola da zona urbana. Sempre me esforcei para aprender matemática e acompanhar a classe, mas tenho consciência das minhas dificuldades na assimilação de alguns conteúdos da área de exatas em geral. Tenho melhor afinidade com a escrita e a leitura, apesar de perceber minhas dificuldades na sintaxe.

Minhas recordações com a escrita e a leitura no ensino fundamental referem-se aos ditados e às leituras feitas em classe e na biblioteca. Para ler na biblioteca, éramos organizados em grupos que, em determinado horário de aula, eram direcionados para a biblioteca para lermos um texto. O nível de leitura avançava na medida em que a complexidade dos textos aumentava. Em outros momentos da educação básica, éramos sorteados para fazer a leitura em voz alta dos textos trabalhados em sala para os demais colegas de classe, até então lidos apenas em voz baixa. Os ditados dos textos visavam à correta grafia. Meu hábito de ler livros de literatura varia de acordo com minha necessidade momentânea. Geralmente, minhas leituras mais cotidianas são referentes a temas do serviço que desempenho, o qual demanda conhecimentos diversos.

O ingresso na UFVJM para o curso de pedagogia me possibilitou uma visão diferente dos métodos de ensino e de letramento das crianças. O fato de ter filhos na idade de alfabetização, aliado à minha formação como futura professora, me proporciona o contato com a aprendizagem da escrita, da leitura e da matemática. Sobretudo, os filhos me despertam um interesse amplo no assunto, visto a necessidade de ampará-los e auxiliá-los neste momento primordial da alfabetização.

Sou grata à minha querida mãe por me incentivar a buscar o conhecimento formal, uma pessoa que, mesmo com suas limitações, me proporcionou o acesso aos letramentos na idade adequada. Tenho consciência de que o conhecimento abre portas e nos permite desfrutar do melhor da vida, desde que tenhamos determinação, coragem e oportunidades de acessá-lo. Pretendo concluir o curso com o objetivo de contribuir para o ensino daqueles que buscam formação e acesso ao conhecimento, bem como para a troca de saberes.



SOBRE A AUTORA:

Aline Pereira Lopes Dias  é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2024. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Leitura e escrita na minha vida

Leitura e escrita na minha vida

Por Wesley Rodrigues de Almeida [1]



Comecei a estudar com 5 anos de idade, numa escola municipal chamada Casinha Feliz, em Taiobeiras/MG. Aos 6 anos, sabia escrever o meu nome. Aos 8, tinha uma pequena noção de valor do dinheiro e de soma e subtração de números. Quando criança, os meus pais me davam livros clássicos de literatura infantil (Chapeuzinho Vermelho, Os Três Porquinhos, A Bela e a Fera e outros) e histórias em quadrinhos. Era uma forma de estimular a leitura. Eu gostava dos meus livros e guardava-os muito bem para não estragar.

Lembro-me de alguns detalhes do Ensino Fundamental I: eu treinando as letras do alfabeto, aprendendo as sílabas e a juntá-las para formar palavras. Estudava bastante a tabuada para poder acertar no dia que a professora fizesse as perguntas. Começava assim o meu gosto pelos números. Recordo também do material dourado no ensino do sistema de numeração decimal. A minha mãe era quem geralmente me ajudava nas tarefas escolares. Com muita paciência e dedicação, ela estava sempre pronta a me ajudar.

Em relação ao Ensino Fundamental II, as professoras de Português costumavam solicitar a leitura de uns livros de literatura, os quais eram emprestados pela biblioteca escolar. Elas davam provas ou trabalhos sobre eles. No 9º ano consegui uma bolsa de estudos no Centro Educacional Beliza Corrêa em Taiobeiras. Foi principalmente com os professores da área de exatas dessa escola que aprendi a interligar os conteúdos matemáticos aprendidos na busca de solução para as questões de exercícios e provas, ou seja, o desenvolvimento do raciocínio lógico.

Durante o Ensino Médio li alguns livros para prestar vestibular e escrevi textos dissertativo-argumentativos. Agora, após mais de dez anos do término dessa etapa escolar, estou nos passos iniciais de uma jornada em busca da conclusão de um curso superior, a Licenciatura em Matemática. Assim, a minha noção de escrita e leitura foi aperfeiçoando ao longo do tempo através da escola e da minha família, mas sei que ainda tenho muito a aprender.



[1] Wesley Rodrigues de Almeida é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Minha reminiscência escrita

Minha reminiscência escrita

Por Wágner Gomes da Rocha [1]



 

“Oh! que saudades que eu tenho

Da aurora da minha vida,

Da minha infância querida.

Que os anos não trazem mais!”

 

(Casimiro de Abreu, 1859)

Tal qual o eu-lírico evoca as memórias de sua infância, assim recordo-me saudosamente das reminiscências de minha meninice para a escrita deste relato. Eu morava na zona rural, juntamente com minha família. Minha irmã mais velha estudava na escola do distrito mais próximo; meus pais, por sua vez, não tiveram a oportunidade de concluir o primário (Ensino Fundamental I) devido à necessidade de trabalhar na roça para ajudar suas famílias. Entretanto, meu pai sabia ler e escrever, ainda que pouco e com dificuldades. Na minha casa, eu não tinha acesso a livros literários. Os textos escritos presentes advinham dos livros didáticos que minha irmã utilizava na escola, da Bíblia, dos rótulos de alimentos e medicamentos, dos relógios, dos panfletos comerciais e das faturas de energia elétrica. Ademais, sempre gostamos muito de escutar o rádio. Ele era o nosso grande aliado para acesso às informações e notícias da região, e entretenimento, já que por ele escutávamos as narrações dos jogos de futebol – principalmente do Atlético Mineiro, do qual eu era torcedor.

Meu primeiro contato com as letras e números se deu antes de ingressar no jardim de infância, quando me reunia com minha irmã, meus primos e vizinhos e brincávamos de “escolinha”. Foi assim que conheci e aprendi as primeiras letras do alfabeto e números. Contudo, ainda não sabia ler nem escrever palavras. Em relação aos números, estes me foram apresentados principalmente pelo meu pai que, ao regressar para casa após as safras de cana de açúcar, sempre trazia moedas e me ensinava a contá-las, de modo que à medida que eu acertava, ele me concedia as moedas. Assim, aprendi a contar os números, somar e subtrair dinheiro, sendo este um exercício do qual eu sempre gostei e tive muita facilidade em aprender.

Ao ingressar na “pré-escola” (jardim de infância), eu já conhecia as letras e números. Todavia, foi lá onde aprendi a desvendar o mundo das palavras, onde aprendi a formar sílabas e palavras, escrevê-las e lê-las. Recordo-me que no pré-escolar eu já conseguia “tirar do quadro” as lições ensinadas pela professora que, diariamente, nos instruía a escrever um mesmo trecho com a única alternância da data do dia. Nesta altura eu já sabia ler e escrever palavras; e também sabia contar dinheiro e não apresentava dificuldades com os números.

 Posteriormente, ao ingressar no Ensino Fundamental, numa escola estadual, tive acesso a outros textos escritos por meio da biblioteca da escola, como gibis de “O Menino Maluquinho”, de Ziraldo, livros de poesias, dentre os quais recordei-me inicialmente do poema “Meus oito anos”, de Casimiro de Abreu, que a professora de Português levava para lermos, decorar e recitar, e “O Barquinho Amarelo”, de Iêda Dias da Silva, um dos primeiros livros literários que li e um dos mais conhecidos na minha escola, já que todas as crianças tinham que lê-lo por solicitação da professora. Eu não gostava muito de ler livros, mas sempre o fazia, já que todo ano ou bimestre a professora de Português nos pedia que lêssemos um livro, o apresentássemos à turma e fizéssemos uma resenha acerca do mesmo. Ao longo de todo meu ensino básico sempre gostei muito de matemática, de fazer cálculos, interpretar e desvendar problemas, usar o raciocínio lógico, e sempre tive facilidade com os mesmos, fato este que me guiou até a escolha do meu primeiro curso de graduação em Ciências Contábeis, onde imergi em outros tipos de textos, agora universitários e científicos, que construíram e moldaram meu aprendizado e me deram sede pelo aprendizado da matemática para, posteriormente, o ensino da mesma, o que me impulsionou a chegar até aqui.

Agora, ao reviver minhas memórias, noto a presença do letramento e do letramento matemático em minha vida e o modo como estes contribuíram para a construção do “Wágner” que sou hoje, desde o meu aprendizado até meus gostos, escolhas e anseios. Assim, emergem as lembranças “(…) que os anos não trazem mais”, como disse Casimiro de Abreu (1859). e projetam-se sonhos que se tornam cada dia mais reais.



[1] Wágner Gomes da Rocha é graduando da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

O início de um sonho

O início de um sonho

Por Viviane Soares Silva [1]



Comecei na vida escolar aos 7 anos de idade, em uma escola pequena em meu bairro. Foram momentos incríveis, desde as atividades em sala de aula, as músicas infantis cantadas e dançadas no pátio da escola, até o hino nacional nas segundas-feiras. Antes de entrar na escola, eu só tinha conto com textos escritos por meio de revistas de novelas e de signos, compradas pela minha tia.

No ano de 2007, passei para a 5ª série (hoje 6º ano). Como minha escola era pequena, fomos transferidos para a escola maior do bairro vizinho, onde estudei até me formar. Foram novos hábitos, novos colegas, professores, tudo novo. Lá conheci minhas melhores amigas, onde vivi anos inesquecíveis, pude presenciar a maldade e covardias decorrentes do tom de pele, ou espessura corporal, dentre outros motivos, os quais sempre terminavam em socos e pontapés.

No ano de 2014, aproximava-se o tão sonhado dia, o da nossa formatura do 3º ano do ensino médio. Trabalhamos o ano todo, vendendo rifas, bingos, caderno de ouro, todos com os mesmos objetivos, arrecadar dinheiro para a formatura. Fizemos várias festas para arrecadar dinheiro para quando chegasse o dia, para garantir que o dinheiro era suficiente para nossa festa. O tão sonhado dia foi 20/12/2014. Tivemos a missa de formatura, que foi muito linda, cm uma igreja impecável. O jantar de formatura foi na escola. Naquele momento vimos que todo esforço valeu a pena, que cada bingo, rifa, festas, tudo foi compensado.

Sete anos após a formatura do 3º ano, estou realizando o sonho de ingressar em uma universidade federal, a  UFVJM, para me tornar uma excelente profissional.



[1] Viviane Soares Silva é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Agroecologia e Educação Sexual na Escola

Agroecologia e Educação Sexual na Escola

Por Ivane dos Santos Lopes*

 

Entre as polêmicas que permeiam o currículo educacional, trabalhar a educação sexual nas escolas é uma questão que não deve ficar em segundo plano, visto que é de extrema importância a compreensão das mudanças corporais e comportamentais que fazem parte da realidade dos adolescentes em idade escolar. A agroecologia, aliando-se a temática, visa a manutenção ecológica do solo para a garantia de subsistência respeitando a natureza, inclusive os seres humanos.

Conforme consta no artigo 205 da Constituição Federal[1], a educação é um direito de todos e educar é um dever da família e do Estado. No que tange à educação sexual, no Brasil, nota-se que crendices populares e tabus levam para os jovens informações falsas que colocam suas saúdes em risco. Sem orientação, não encontram respostas para suas dúvidas por parte dos responsáveis e nem da escola e acabam por procurar em outras fontes, nem sempre confiáveis. Informações erradas, além de problemas de saúde, têm consequências sociais, como gravidez indesejada, gravidez na adolescência, pandemias de doenças e infecções. Outro viés importante da educação sexual é combater a violência, como nos casos de pedofilia.

Para mudar esse contexto, a escola deve trabalhar a educação sexual nas escolas respeitando a faixa etária das crianças e adolescentes, pois, na maioria dos casos, os pais e responsáveis não têm informação suficiente para assumirem essa demanda. Adicionalmente, as crendices religiosas agravam a situação.

Em primeiro lugar destaca-se a importância do papel da escola na prevenção do abuso sexual. E necessário educar, bem como defender, nossas crianças e adolescentes frente a abusos e exploração sexual. A escola e a gestão pedagógica podem fomentar um ambiente protetivo e de observação das mudanças comportamentais das crianças e adolescentes, uma vez que passam bastante tempo na escola, quando podem dar sinais sobre situações de abusos e violência sexual.

Não se deve associar educação sexual a ensino de relações sexuais, pois o foco na escola é a consciência do corpo, o conhecimento da biologia e o entendimento dos limites que definem o abuso. O ideal é que a família ensine para suas crianças a necessidade de cobrirem seus corpos, de conhecer os nomes corretos de cada órgão ou membro de seus corpos, ter cuidados de higiene e protegerem seus corpos, sobretudo suas partes íntimas. Também devem aprender que providências tomar em caso de abuso, como contar para alguém de confiança como a mãe ou a professora. Assim, as crianças terão conhecimento para diferenciar toques invasivos, importunação e abusos sexuais, o que ajudará a evitar abusos e a relatarem, caso ocorram.

De acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2022[2], publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em cerca de 76% dos casos de estupro as vítimas são menores de 14 anos e, na maioria das vezes, o crime ocorre em ambiente familiar, sendo o agressor um parente da vítima ou mesmo um amigo da família. É evidente que trabalhar a educação sexual nas escolas pode prevenir a violência que há muito tempo assola a sociedade. Melhor seria com a participação de equipes de área da saúde, pois, poderiam desenvolver atividades lúdicas, palestras, projetos em grupo e seminários auxiliando aos adolescentes na prevenção de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e da gravidez precoce.  Sabe-se que quando uma adolescente engravida sua vida mudará radicalmente, afetando também sua saúde física e mental, bem como a educação. Em decorrência da gravidez, muitas interrompem os estudos, o que certamente diminui suas chances de conseguir um bom emprego. Consequentemente, essa mãe poderá ficar em condição de vulnerabilidade econômica e risco de exclusão social. Nesse sentido, nota-se a importância de pais, ou responsáveis, trabalharem em conjunto com a escola para que seus filhos entendam e aceitem as mudanças físicas, mentais e emocionais de seus corpos.

A agroecologia visa a manutenção ecológica do solo respeitando e incluindo a biodiversidade e a diversidade humana. Conforme cartilha sobre diversidade sexual do Instituto Federal do Piauí (UFPI)[3]:

A sexualidade humana é formada por uma múltipla combinação de fatores biológicos, psicológicos e sociais, e é basicamente composta por três elementos: sexo biológico, orientação sexual e identidade de gênero e expressão de gênero.

Ou seja, há uma diversidade que não podemos controlar, tão pouco padronizar, pois é algo socialmente construído. Assim, se existir qualquer forma de desrespeito, exploração ou discriminação, da escravidão ao machismo e à LGBTfobia, não existe agroecologia. Neste sentido se lutamos contra a escravidão, contra o patriarcado, contra o racismo, devemos incluir outros excluídos nessa luta. Para viver bem em sociedade devemos aceitar e respeitar que todos somos iguais, justamente porque somos diferentes. Todas as mazelas que foram construídas socialmente, nos contextos histórico-culturais específicos, devem ser desconstruídas socialmente. Claro que não do dia para a noite, mas cada atitude positiva faz grande diferença.

Ao longo da história, muitas pessoas, principalmente a população LGBTQIA +, foram e ainda são privados de muitos direitos por causa de uma sociedade culturalmente preconceituosa e opressora. Visando ao respeito à diversidade, os educadores também devem direcionar aos estudantes para que sejam sujeitos de bem para viver socialmente em harmonia, livres de ações discriminatórias que regridem a sociedade.

O governo, por sua vez, deve investir em projetos para a área da educação e da saúde, buscando fortalecer o cumprimento das leis existentes e, se necessário, criação de novas. Órgãos como o ministério da educação e da saúde podem promover a educação sexual nas escolas como disciplina, e também investir em palestras, eventos, campanhas educativas e distribuição gratuita de preservativos e contraceptivos. Assim, a Constituição de 1988, no que diz respeito ao direito à educação e à saúde para todos, poderá ser respeitada.

Referências

[1] <http://www.un.org/en/universal-declaration-human-rights/>

[2]  <http://www.forumseguranca.org.br/atividades/anuario/>

[3] <https://www.ifpi.edu.br/paulistana/noticias/CartilhaComunidadeLGBTQIAPemmbitoeducacional.pdf




* Ivane dos Santos Lopes  é acadêmica da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foi orientada pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Lembranças dos meus letramentos

Lembranças dos meus letramentos

Por Vânia Evangelista Fagundes Ribeiro [1]



Durante minha infância era muito comum o acesso a livros na minha casa, pois sou a filha mais nova de sete filhos. Então, sempre via meus irmãos estudando, fazendo lição de casa. Então, eu sempre estava atrás deles pedindo folhas para rabiscar, e sempre via minha mãe lendo a Bíblia e livros da igreja, por ela ser muito católica. Ela era presidente do grupo de legionárias e catequista.

Com isso, sempre se reunia com crianças e adolescentes uma vez na semana, na minha casa, para passar os ensinamentos bíblicos. Então, eu sempre via eles lendo, escrevendo, e ali estava eu, sempre grudada nela, a acompanhando nos encontros e na missa. Recordo-me bem que em casa sempre tinha os jornaizinhos da igreja, que minha mãe levava ao final de cada missa que assistia. Eu os folheava, mas não entendia nada, pois não sabia ler.

Lembro que quando era pequena minha mãe me presenteou com um kit de livrinhos de historinhas infantis, que veio acompanhado de um quebra-cabeça da Branca de Neve, que era o que eu mais gostava por ter as peças para ir montando, e tinha uma historinha por trás das peças. A presença da minha família nessa fase foi de muita importância me ensinando e esclarecendo minhas dúvidas.

Aos quatro anos de idade, minhas irmãs me ensinaram a contar até 50 e a conhecer as algumas letras. Sempre brincávamos de escolinha, onde minha irmã Vanessa era a professora e eu, aluna. Aos poucos, através dos meus rabiscos, fui aprendendo o alfabeto. Aos seis anos eu frequentei, pela primeira vez, a escola, onde iniciei na turminha do pré-escolar com a professora tia Cidinha (uma professora tão meiga), e através dos ensinamentos dela fui aprendendo a formar sílabas, palavras. Até aprendi a ler. E, nos anos seguintes, entre sete e oito anos, fui aprendendo a fazer pequenas contas de somar e subtrair. Muitos professores passaram na minha vida. Lembro também de uma professora chamada Terezinha, que incentivava bastante a leitura. Ela nos levava na biblioteca todas as semanas para pegar um livro para fazer um resumo e apresentar em sala, e eu sempre escolhia os mais coloridos e que tinham final feliz. E isso foi ampliando meu conhecimento de interpretação, leitura e escrita. Em 2010, iniciei o Ensino Médio na Escola Betânia Tolentino Silveira. O primeiro ano não foi tão legal, pois havia muitos alunos dentro de uma mesma sala, e isso acabou me desmotivando um pouco. Mas nos anos seguintes a turma foi dividida e o contato com textos mais complexos aumentou, e a professora de Português nos apresentou grandes obras, dentre elas “Iracema”, de José de Alencar.

Em 2012, conclui o Ensino Médio e logo fiz vestibular de Direito e Engenharia Civil, nos quais passei e decidi cursar Engenharia no início de 2013, na Faculdades Verde Norte, onde aprendi muitos cálculos, do básico ao estrutural, e pude melhorar minha escrita em diversos aspectos. Em 2022, decidi buscar novos conhecimentos. Então, fiz o vestibular para o curso de Licenciatura em Matemática da UFVJM, no qual acabei ingressando. Sinto-me muito feliz, pois mais um sonho foi realizado e nesse curso estou tendo a oportunidade de ampliar meus conhecimentos e futuramente me tornar uma grande educadora.



[1] Vânia Evangelista Fagundes Ribeiro é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Fechamento de escolas rurais: um retrocesso para Educação do Campo

Fechamento de escolas rurais: um retrocesso para Educação do Campo

Por Izaura Aparecida Ferreira*

“Educação, direito de todos” é um bonito slogan de diversas secretarias de educação Brasil afora, respaldadas em uma garantia da Constituição Brasileira de 1988 e pela Lei de Diretrizes e Bases LDB 9394/96. Entretanto, ao que parece, o homem do campo não está inserido nesse “todos” do slogan, pois o que mais vemos nos últimos anos é o fechamento de escolas rurais. Trata-se de um retrocesso para educação do campo que traz impactos imensuráveis para o modo de vida das comunidades campesinas.

Para Sales (2013, p. 01):

A retirada das instituições gerou a desmobilização destas comunidades e a ausência dos serviços básicos, até mesmo da manutenção das estradas de acesso. O impacto abrange vários vieses, seja o social, econômico ou político:

Dessa forma, como aponta Kremer (2006), o fechamento dessas unidades de ensino fragiliza a comunidade, comprometendo projetos comuns que poderiam lhes asseguram direitos sociais, culturais e identitários importantes. Isso se dá porque o espaço escolar, sobretudo no contexto do campo, desprovidos de aparelhos estatais, tem funções que vão muito além da educação formal e acabam se tornando o elo entre comunidade e poder público. A escola é um espaço de encontros culturais, que, assim, funciona também como instrumento político de inclusão e promoção social (ARGENTON, 2020, p.1). Trata-se, ainda, de um desrespeito e uma tentativa de apagamento de anos de luta dos movimentos sociais ligado às questões da terra, que empunham a bandeira da educação de qualidade para o homem do campo, pautada na diversidade e especificidade desses povos.

Como solução imediatista e inadequada, há aqueles que defendem um projeto capitalista maquiado pela falsa ideia de qualidade de aprendizagem. O que contraria toda a especificidade da educação no âmbito do campo que, espera-se, que seja contextualizada, como já apontam documentos oficiais como a citada LDB 9394/96.  Nessa direção errônea há inúmeros argumentos, como as denunciadas no parecer CEB 23/2006[1], aprovado em 2012 pelo Ministério da Educação, onde defendem o fechamento de escolas em decorrência de baixa densidade populacional. Atacam, ainda, a metodologia da mutisseriação, utilizada em muitas escolas do campo com poucos estudantes. A solução, segundo alguns municípios que defendem tais ideias equivocadas, seria formar núcleos de estudantes de várias comunidades onde prometem oferecer melhorias na aprendizagem (RODRIGUES, 2017).

É evidente que esse discurso é meramente político e capitalista, pois o fechamento de escolas rurais é de uma violência sem tamanho para com a população campesina. É importante ter sempre em mente que a educação do campo é um direito; e para que seja efetivamente assegurado, sem o risco de fechamento das escolas rurais, é necessário que o povo campesino e suas lideranças tenham conhecimento da Constituição e, sobretudo, da Lei 12.960[2] que os ampara nesta questão do fechamento de escolas rurais. Outra medida importante e que lideranças campesinas ocupem cadeiras nos conselhos municipais e estaduais de educação para dialogar e agir politicamente em prol de seus territórios e, em caso de violação de direitos, possam acionar mais facilmente o Ministério Público em defesa de seus direitos.

Referências

ARGENTON, Gabriel Tamanchieviz.  Educação do Campo: garantia de direitos em tempos de pandemia. Disponível em: <https://www.brasildefators.com.br/2020/06/16/artigo-educacao-do-campo-garantia-de-direitos-em-tempos-de-pandemia>. Acesso em 31/01/2023;

KREMER, Adriana. Educação e Desenraizamento: processo de Nucleação das Escolas no Município de Bom Retiro – SC. 29ª Reunião anual da Anped, 2006. Disponível em: <29reuniao.anped.org.br/trabalhos/posteres/GT06-2313–Int.pdf>. Acesso em: 31/01/2023.

SALES, Suze da Silva. Análise de um processo consolidado: histórico do percurso da nucleação de escolas rurais brasileiras (1989-1999). In: SIMPÓSIO NACIONAL DEHISTÓRIA, 27., Natal, RN, 22-26 jul. 2013.

RODRIGUES, Ana Cláudia da Silva, Nucleação de escolas no campo: conflitos entre formação e desenraizamento. Educ. Real. 42 (02), 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/2175-623657687>. Acesso em 01/02/2023.

[1] http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2007/pceb023_07.pdf

[2] http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/lei%209.394-1996?OpenDocument




*Izaura Aparecida Ferreira é acadêmica da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foi orientada pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Minhas lembranças

Minhas lembranças

Por Thauane de Sousa Costa [1]



 

Desde criança sempre tive contato com livros, sejam eles de histórias ou não. Lembro que o meu primeiro contato foi com uma Bíblia que tinha na minha casa, que era da minha mãe. E, desde então, ela sempre lia as histórias para mim. Quando eu ia para a casa da minha avó, ela sempre me motivava a ler a Bíblia e, com isso, fui começando a ler aos poucos.

Ainda antes de entrar para a escola, quando minhas irmãs estudavam, eu sempre pegava os livros e tentava ler os textos. Como meus pais não tinham tempo para me ensinar a ler e escrever, porque trabalhavam muito, minhas irmãs me davam livros de histórias, desenhos para colorir e de números básicos para eu ir aprendendo aos poucos.

Quando entrei para a escola, aos seis anos, eu já tinha o conhecimento do alfabeto, dos números e já sabia ler algumas coisas e somar o básico, pois eu vivia com livros nas mãos e sempre procurava saber e aprender as coisas novas sozinha. Com o tempo, fui me interessando ainda pelos livros, principalmente os de matemática, mas a minha caligrafia não era muito boa. Então, a minha professora, no Ensino Fundamental, me dava aula de reforço na casa dela para melhorar a escrita.

Com isso, todos os dias eu ia até a biblioteca pública da minha cidade e pegava diversos livros para ler em casa. Ainda no Ensino Fundamental comecei a fazer várias produções de texto, mas sempre tinha dificuldades de desenvolver os textos.

Lembro-me também que na escola tinha vários projetos de leitura e isso me motivava ainda mais a ler, mas sempre que chegava da escola de manhã, fazia a lição de casa e, logo em seguida, já ia até uma estante que tinha na minha casa, cheia de livros, e pegava os livros de matemática para resolver os problemas. Lembro que cheguei a responder 3 livros completos de matemática. E, desde então, quase não brincava com outras crianças, pois eu vivia focada nos livros.

Quando cheguei ao Ensino Médio, comecei a produzir redações. Tive contato com textos diferentes do Ensino Fundamental, porém não tinha mais o mesmo tempo de ler livros como na infância, pois comecei a trabalhar. E sempre tive o sonho de fazer um curso superior, até que, ao concluir o Ensino Médio, fiz, pela primeira vez, o ENEM e, através dele, consegui ingressar em uma faculdade para fazer o curso de Matemática. Porém, me deparei com textos diferentes, textos acadêmicos e, com isso, comecei a ter dificuldades, pois tinha perdido o hábito de ler como antes. Hoje, estou cursando Matemática na UFVJM, pois é uma área que eu amo e na qual sempre me dei bem na escola.



[1] Thauane de Sousa Costa é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Sua consciência racial não é minha obrigação

Sua consciência racial não é minha obrigação

Por Isaura dos Santos Lopes*

Questionamentos sobre consciência racial e questões de raça/racismo têm sido pauta em muitos debates e polêmicas nas mídias de massa, como redes sociais. Nos reality shows dos famosos, como A Fazenda e Big Brother Brasil, os participantes são sempre motivos de críticas excessivas e ódio, como o caso de Karol Conká na edição do BBB de 2021 e Cariúcha n’A Fazenda de 2023. 

Sobre as questões de raça, poucas críticas são sobre a postura dos participantes brancos e, ao mesmo tempo, muitos esperam que os negros ensinem consciência racial. Como negra que sou, entendo que não cabe a nós, a negritude, tornar os brancos pessoas conscientes obre essas e outras questões. Os negros não têm essa responsabilidade, pois não criaram o racismo.  

Ser mulher negra não me obriga a saber e a ensinar tudo (o tempo todo) sobre racismo e feminismo negro e é injusto nos cobrar isso. Se olharmos a forma como nossa sociedade foi construída, fica evidente tal injustiça, pois as pessoas negras foram marginalizadas e privadas de coisas essenciais, como o acesso à educação. Prova disso é a lei sancionada em 1837[1] para proibir pessoas escravas nas escolas públicas.

Por outro lado, quem sempre teve melhor acesso à educação e à formação política foram os brancos. Então, são essas pessoas que deveriam estar capacitadas para buscar sua consciência racial e educar os demais. No entanto, a branquitude não assume seu lugar de classe opressora e usa como estratégia para manterem seus status um discurso “integracionista”. Em outras palavras, negam sempre a existência do racismo e da desigualdade no nosso país para mascarar seus privilégios, os quais não querem abrir mão. Estamos cansados de ouvir que “não existe racismo no nosso país, pois os negros não são mais escravos”; ou que “fulano não é racista, pois tem um amigo ou um parente negro”. São expressões usadas para difundir a negação do racismo, como estratégia para mascarar uma questão que é estrutural. Parafraseando o atual ministro dos direitos humanos, Sílvio de Almeida (2023), “(…) quando se admite a existência do racismo, cria-se automaticamente a obrigação moral de agir contra ele”. Tomando essa ideia como ponto de partida, entendemos por que toda a negação da existência do racismo estrutural.

Além da negação, a branquitude ataca os movimentos negros visando a desestabilizá-los a partir da deslegitimação de suas lutas. É comum ouvir que “os brancos não podem apoiar as causas dos negros, pois só os negros podem fazer isso, já que buscam inverter a ordem”. Pensar isso é um absurdo! Assim como é necessário o apoio dos homens aos movimentos feministas, já que o patriarcado é uma construção sobretudo do público masculino, o principal alvo na desconstrução dessa ideia. Da mesma forma, as causas defendidas pelos movimentos negros precisam do apoio dos brancos, afinal o opressor deve ser conscientizado e fazer parte da mudança.

Um exemplo evidente disso é a Coordenação de Mulheres Quilombolas do Vale do Rio Doce, onde a senhorita Agda, uma mulher branca não quilombola, está sempre apoiando os interesses do grupo. Agda participa de momentos formativos e eventos com as mulheres do grupo, além de prestar serviços de assessoria técnica sobre direito dos quilombolas nas comunidades. Atua em eventos da Comissão das Comunidades Quilombolas do Alto e Médio Rio Doce, sempre com respeito e sabendo que está cumprindo seu papel de colaboradora na luta por um mundo racialmente mais justo. Ela entende que luta enquanto mulher com privilégios, mas que tem consciência racial para apoiar o movimento que busca garantia de direitos para os quilombolas.  O próprio Silvio de Almeida, o já citado ministro dos Direitos Humanos, disse em sua participação no programa Roda Viva em 2021 que: “Sem os brancos, não é possível superar o racismo[2]”.

Por fim, com colaboração de todos a consciência racial pode ser atingida e se tornar o principal o instrumento de luta pela igualdade racial. Um caminho para que aconteça é fazer valer as leis que visam promover a igualdade racial e a reparação ao povo preto, tal como as leis de cotas, contra o racismo e a injúria racial.  Essas Leis são exemplos de medidas contra o racismo que devem ser divulgadas e, de preferência, estudadas nas escolas. Outro exemplo é a lei que torna obrigatório o ensino sobre o ensino sobre História e Cultura Afro-brasileira nas escolas, que deve ser de fato ser implementada. Vejo a abordagem destas leis nas instituições de ensino básico como uma estratégia essencial para formar política, crítica e socialmente as gerações futuras.


Referências

[1] <https://www.scielo.br/j/ep/a/9ZhqHKsrZg987cSGqd7SbNg/>

[2] <https://www.youtube.com/watch?v=cqPduxB7woE>




* Isaura dos Santos Lopes é acadêmica da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foi orientada pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Lançamento: “Encontros e Encantos de Conhecimentos e Fazeres Tradicionais com Linguagens e Ciências da Natureza”

Lançamento: “Encontros e Encantos de Conhecimentos e Fazeres Tradicionais com Linguagens e Ciências da Natureza”

Por Maurício Teixeira Mendes*

Novo Livro “Encontros e Encantos de Conhecimentos e Fazeres Tradicionais com Linguagens e Ciências da Natureza” é Lançado como Fruto de Colaboração interdisciplinar e intercultura. 

O livro “Encontros e Encantos de Conhecimentos e Fazeres Tradicionais com Linguagens e Ciências da Natureza” é fruto de um trabalho coletivo, desenvolvido a partir da articulação do projeto de extensão “Educação do campo: saberes e práticas envolvendo letramentos e agroecologia” que está vinculado ao Programa Encontro de Saberes da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). 

O material foi produzido com a colaboração entre mestres e mestras dos saberes tradicionais de Serro-MG e participantes do curso de Licenciatura em Educação do Campo da UFVJM. Este livro faz a junção entre saberes sobre agricultura e sementes crioulas, folia de reis e plantas medicinais e benzeção com os conteúdos escolares indicados pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) nas áreas de Linguagens e Ciências da Natureza.

As atividades contidas no livro surgiram a partir das unidades curriculares Prática de Ensino e Desenvolvimento do Estágio Curricular Supervisionado na Escola Estadual Ministro Edmundo Lins, também localizada em Serro-MG. Essa escola é profundamente enraizada em tradições locais, e três oficinas temáticas foram desenvolvidas, abrangendo áreas como agricultura e sementes crioulas, folia de reis, plantas medicinais e benzeção. Estas oficinas foram cuidadosamente elaboradas com base nos planos de curso do Currículo Referência do estado de Minas Gerais (CRMG) e BNCC. Com um foco particular na educação crítica, inspirada pela visão de Paulo Freire, procuramos brechas nesses currículos para se pensar em uma educação dialógica e contextual.

O capítulo inicial do livro destaca a importância de incorporar os conhecimentos tradicionais no ambiente escolar, ressaltando a riqueza que essas tradições podem adicionar ao aprendizado. Os capítulos subsequentes fornecem uma visão detalhada da estruturação do material de planejamento das oficinas temáticas e oferecem um resumo das atividades desenvolvidas.

O livro está disponível no formato de e-book e pode ser baixado gratuitamente no repositório institucional da UFVJM, acessível através do seguinte endereço eletrônico: http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/handle/1/3284 . Os autores e autoras do livro desejam a todos os leitores uma experiência enriquecedora e inspiradora ao explorar as páginas deste trabalho coletivo.




* O Prof. Dr. Maurício Teixeira Mendes é um dos organizadores do livro.

Eu e a educação

Eu e a educação

Por Sandra Soares de Oliveira [1]



Na minha infância, com idade insuficiente para frequentar uma escola, era comum ver textos em livros em minha casa.  Meus irmãos mais velhos, que já frequentavam uma escola, tinham acesso ao livro didático, caderno de desenhos, lápis e outros objetos que a prefeitura disponibilizava aos alunos. Meus irmãos sempre me deixavam olhar, escolher a cor dos desenhos, mas não me deixavam pintar.

Na minha comunidade era muito comum a ter aulinha, nos finais de semana. Minha prima mais velha brincava de escolinha, usando giz e um quadro. Eu ganhava uma folha e um lápis bem pequeno para rabiscar e minha irmã me presenteava com um caderno. Aprendi a escrever meu nome antes mesmo de entrar para a escola. As aulas aconteciam na área de minha casa.

Quando completei seis anos de idade, comecei a frequentar a escola e ser alfabetizada, porém não foi uma fase fácil. Tive muito medo de ir só, perde ônibus ou motorista me esquecer, pois morava na zona rural, meus irmãos não estudavam na mesma escola. Sinceramente, em sala de aula, tive muitas dificuldades nos primeiros anos, pois sabia muito pouco nessa época. Aprendi por meio de histórias em quadrinhos, contos de fadas etc. Apesar de falar os números, não sabia reconhecer valores, por isso meus pais me davam moedas de centavos para comprar balas e me motivar a ir à escola. A professora mandava todos os últimos dias de aula da semana escolher livros e levá-los para casa para lermos no fim de semana. No início da semana, devíamos recontar o texto lido. Certamente isso ajudou-me a desenvolver a leitura. Durante as aulas, a professora sempre tomava a tabuada.  

Minha família foi a base nos meus anos iniciais. Minha mãe me ajudou muito na leitura. Meu pai não sabia ler, mas sabia contar. Isso foi o suficiente para eu passar de série no ensino fundamental. Dentre os livros mais usados nas séries iniciais do ensino fundamental, recordo de te lido umas duas ou mesmo três vezes, foi.” O patinho feio” da biblioteca da escola municipal. Com dez anos, mudei para uma escola estadual, onde a professora de português recomendava vários livros. Isso contribuiu para uma grande mudança na minha leitura e escrita.

Meu primeiro ano de faculdade apresentou mudanças positivas porque tive capacidade de entender o plano de ensino no curso ciências e tecnologia da UFVJM, entretanto senti dificuldades por que o mundo passava por uma pandemia.  Como meu curso era integral e de forma remota quase não tinha tempo para fazer nada, pois era preciso estudar muitos cálculos. Acredito que não aprendi o suficiente por esse motivo. Com o retorno das aulas presenciais, resolvi iniciar outra graduação EaD, em licenciatura em física. Hoje, estudo o primeiro período e muito feliz. Sei que sou capaz de administrar bem minha vida financeira e acadêmica.



[1] Sandra Soares de Oliveira é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

A persistência da violência contra as mulheres no Brasil

A persistência da violência contra as mulheres no Brasil

Por Jane Beatriz Fernandes Alves e Cláudia Cristina Ribeiro*

Há dezesseis anos, a Lei nº 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, foi sancionada. Há oito anos, houve a criação da Lei nº 13.104, conhecida como Lei do Feminicídio. Essas leis têm por finalidade coibir e prevenir a violência contra mulheres, que sofrem com múltiplas formas de agressão, e criminalizar crimes hediondos em razão do gênero contra pessoas do sexo feminino. As leis são instrumentos de grande importância para um estado democrático, pois visam controlar as ações e comportamentos dos indivíduos para garantir a justiça na sociedade.

Apesar da existência das leis, a violência e os crimes contra mulheres ainda persistem, pois o que se vê é que, na maioria das vezes, a justiça não é feita. A educação também é importante, não apenas para educar uma sociedade menos sexista e menos violenta, mas também para fornecer conhecimento e informação sobre os direitos de muitas mulheres e jovens, sejam da cidade ou do campo.

Muitas mulheres, principalmente as que vivem nas zonas rurais, encontram-se afastadas de assistências básicas necessárias para enfrentar situações de violência. As causas do feminicídio são diversas, mas majoritariamente estão relacionadas à violência doméstica, ao machismo e à cultura de objetificação da mulher. Em muitos casos, o agressor é uma pessoa próxima da vítima, e os crimes muitas vezes se acumulam a outros decorrentes de interseccionalidades.

As práticas desses atos estão ligadas ao patriarcado, que foi criado historicamente e permanece com traços até os dias atuais. Entretanto, o machismo é considerado uma situação extremamente preocupante na qual a sociedade vive, colocando o homem em posição hierárquica diante da mulher, colocando-a em situações de vulnerabilidade. Também se apoia a misoginia, que é o ódio às mulheres, ao universo feminino e à fatalidade de punição por mulheres assumirem suas sexualidades como lésbicas ou bissexuais. Além da violência, em alguns casos, é praticado o lesbocídio.

Além disso, como resultado das violências diárias decorrentes dessa estrutura patriarcal, muitas mulheres mantêm relacionamentos mal estruturados com receio de serem violentadas, mas também por fatores como falta de recursos financeiros para se sustentar sozinhas e por falta de apoio da família, como citado por Ana Prado.[1]

Há muitos fatores que levam as mulheres a se calarem ou não denunciarem diante os ataques e as agressões sofridas, como inadequação do atendimento às vítimas, falta de impunidade e ameaças constantes. Como resultado, os agressores não se intimidem e continuem com suas práticas violentas, levando ao ponto de cometer violências fatais. Segundo dados do site do G1[2] (2022), no primeiro semestre de 2022, 699 mulheres foram vítimas de feminicídio no Brasil, uma média de quatro mulheres por dia, que se refere ao maior número já registrado em um semestre. Analisando a trajetória histórica percebe-se que mesmo com a implementação de leis de proteção, vem aumentando casos de violência e, consequentemente, de feminicídio em vários estados do Brasil, como é mostrado pelo G1[3].

Essa dura realidade não atinge somente as mulheres dos centros urbanos, mas também muitas que vivem em zonas rurais. Nesse contexto, há exemplos como o caso de feminicídio na comunidade de São Gonçalo dos Rios das Pedras[4], cuja vítima foi assassinada dentro da casa de parentes pelo antigo companheiro. Há falta de registros de casos, pois essas mulheres são, muitas vezes, silenciadas e há uma naturalização desse ciclo. As mulheres do campo são vítimas de várias formas de violências que são resultados de fatores como a pobreza, a desigualdade de gênero, a precariedade de acesso aos serviços públicos e às políticas públicas, as quais tornaram-se pouco eficazes para sancionar determinados problemas.  

Conforme dados do anuário de Segurança Pública do MST[5], em 2021, foram registrados 1.341 crimes de feminicídios, sendo que 62% eram negras. A violência também avançou entre a comunidade LGBT: hoje uma travesti ou mulher trans é assassinada a cada 2 dias. As mulheres negras e a população LGBT sofrem de forma específica de violência de gênero, em razão do gênero de sua orientação sexual e/ou sua identidade de gênero, além da interseccionalidade com as questões raciais. Frequentemente esses grupos são discriminados e marginalizados em nossa sociedade, o que aumenta sua vulnerabilidade e a violência. Essas mulheres enfrentam vários tipos de preconceitos, incluindo o mercado de trabalho e a educação. Além disso, diariamente lidam com a homofobia e o racismo. De acordo com levantamento da Comissão Pastoral de Terra (CPT)[6], no campo, entre 2011 e 2020 foram registradas 77 tentativas e 37 assassinatos de mulheres por conflitos fundiários e ambientais, além de agressões, ameaças, estupros e outros crimes de violência.

Diante das múltiplas violências que as mulheres sofrem na sociedade, medidas para devem ser implementadas como políticas públicas relacionadas, como programas de conscientização que envolvam debates e diálogos com finalidade de que as leis existentes em proteção às mulheres saiam dos papéis e funcionem. É importante investir na educação e na conscientização sobre desigualdade de gênero e direitos, na finalidade de combater a violência contra as mulheres desde a infância, mostrando o quanto elas devem ser respeitadas dentro da sociedade, destacando que elas estão em posição de igualdade e direito com os homens. O Estado deve preparar as mulheres para que elas não fiquem desamparadas e tenham conhecimento sobre as leis que as asseguram. Em relação às mulheres do campo, elas devem procurar movimentos que tenham contato com mulheres camponesas, como o Movimento Macha das Margaridas e o Movimento Sem Terra (MST) para apoio e diálogo. É necessário divulgar com eficiência canais de apoio e de denúncias, para que informações e apoio cheguem a toda a população feminina, além da zona urbana.


Referências

[1]  <https://super.abril.com.br/coluna/como-pessoas-funcionam/por-que-tantas-mulheres-continuam-em-relacionamentos-abusivos>

[2] <https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2022/12/07/feminicidios-batem-recorde-no-1o-semestre-de-2022-no-brasil-quando-repasse-ao-combate-a-violencia-contra-a-mulher-foi-o-mais-baixo.ghtml>

[3] <https://www.google.com/amp/s/g1.globo.com/google/amp/monitor-da-violencia/noticia/2023/03/08/aumento-dos-feminicidios-no-brasil-mostra-que-mulheres-ainda-nao-conquistaram-o-direito-a-vida.ghtml>

[4] RIBEIRO, Cláudia Cristina. Entrevista concedida a Igor Cássio dos Passos no dia 12 fev. 2023. Sobre: Caso de Feminicídio na Comunidade de São Gonçalo do Rio das Pedras.

[5] MST. Anuário de Segurança Pública. Disponível em: <https://mst.org.br/2022/11/25/lutamos-pelo-direito-de-existir-em-todas-as-possibilidades-afirma-dirigente-do-mst>.

[6] <https://mst.org.br/2022/11/25/lutamos-pelo-direito-de-existir-em-todas-as-possibilidades-afirma-dirigente-do-mst>




* Jane Beatriz Fernandes Alves e Cláudia Cristina Ribeiro são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Descobrindo o mundo das letras e dos números

Descobrindo o mundo das letras e dos números

Por Rafaela Paulino dos Santos [1]



 

Quando criança me lembro de sempre ver o meu pai lendo livros bíblicos, escrevendo em lições da escola sabatina, e minha mãe comumente lendo revistas. Lembro-me que às vezes eu olhava alguns gibis mesmo não sabendo ler ainda, e que eu tinha vários DVDs com histórias e músicas, eu gostava mais de assistir ao DVD do Patati Patatá, o cenário era sempre muito colorido, as músicas animadas e tinha várias histórias ao longo do DVD.

Não me recordo muito bem quando comecei a contar, só lembro que, quando aprendi, saía pela casa toda contando as coisas, foi como uma nova porta se abrindo para mim. Recordo-me que meus avós sempre davam moedas e dinheiro de papel para mim e para minha irmã, no dinheiro de papel sempre que eu via um número maior ou algum animal que comumente eu não ganhava, já sabia que o valor era maior. Quanto às moedas que ganhava eu gravava na mente que as moedas de 50 centavos e de 1 real valiam mais. Comecei a entender o valor do dinheiro, quando ia a mercearia comprar balas e salgadinhos e me explicavam o que daria para comprar com cada quantia de dinheiro.

Acho que comecei a somar e diminuir com 5 ou 6 anos, antes de entrar na escola. Com o decorrer do tempo os problemas matemáticos se tornaram mais fáceis. A escola e minha família foram fundamentais ao meu aprendizado de matemática, meu pai e meu avô tinham um bom conhecimento nessa área, eles me ensinavam de forma simples a como fazer contas e a escola me auxiliou muito também.

Antes de entrar na escola já conseguia escrever meu primeiro nome e o de alguns familiares, foi muito bom a experiência de perceber que eu conseguia escrever algumas coisas e ficava muito contente ao conseguir ler corretamente as palavras.  A escola foi bastante fundamental, sempre havia coisas para ler e escrever, isso deixava cada dia mais fácil e natural o aprendizado.

Lembro-me que havia um projeto na escola chamado “sacola mágica”, que consiste em sortear alguma pessoa da turma para “ganhá-la” e trazer na próxima semana textos sobre os livros lidos. Acho que foi a partir daí que tive mais contato com a leitura, ia à biblioteca da escola e pegava vários livros para ler, sempre fui uma pessoa muito curiosa e a literatura avivou isso ainda mais. No ensino fundamental, gostava muito de ler contos ou histórias em quadrinhos, no ensino médio gostava mais de ficção científica, crônicas e contos de terror. Normalmente na escola produzia mais redações ou textos críticos sobre alguns assuntos propostos.

Na escola nos anos iniciais do pré até o 6º ano havia uma salinha que ficavam os computadores e alguns livros em prateleiras, já na outra escola em que passei o restante dos meus anos escolares havia uma biblioteca com vários livros e projetos de incentivo à leitura.

Noto que nos primeiros anos na universidade tenho lido poucos livros, escrito coisas apenas relacionadas aos assuntos estudados e não mais livros de meu interesse. Mas que tenho escrito mais, seja textos acadêmicos, relatórios e coisas relacionadas.

Sinto bastante falta de uma base sólida da escola, principalmente em questão de matemática, eu não tive muito contato aprofundado sobre, e tenho sentido um pouco desse Impacto agora na universidade com algumas atividades. Percebo que agora estou começando a entender cada vez mais a importância do professor e de um ensino de qualidade.



[1] Rafaela Paulino dos Santos é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Agroecologia e permanência do homem no campo

Agroecologia e permanência do homem no campo

Ingrid Cristina dos Passos e Igor Cassio dos Passos*

A migração do campo para a cidade é um processo em que a população da zona rural se transfere para as cidades, trocando as atividades rurais pelas urbanas (SIQUEIRA, 2012) [1]. Esse fenômeno tem crescido cada vez mais, e um dos principais motivos é a industrialização. Um exemplo dessa industrialização é a “Revolução” Verde, que representou uma ruptura nos meios de produção do campo ao introduzir a mecanização e, com grandes investimentos, alterou as estruturas produtivas tradicionais. 

Com a chamada Revolução Verde ocorreu a elitização do acesso à terra, uma vez que a mão de obra dos pequenos agricultores foi substituída por maquinários. Da mesma forma, muitos pequenos produtores não foram incluídos no acesso às novas tecnologias, levando muitos à falência e os obrigando a vender suas terras e migrar em busca de emprego (BRASIL, 2021) [2]. Consequentemente, os agricultores familiares, que produzem tanto para sua própria subsistência quanto para a venda em mercados e projetos escolares, também são afetados. Com a modernização crescendo cada vez mais, a mão de obra dos camponeses é dispensada, o que resulta no êxodo rural.

Segundo Rosset (2013) [3], a agricultura está perdendo força devido à migração, muitas vezes de famílias inteiras, para os centros urbanos em busca de melhores condições de vida, estudo, aumento da renda e acesso à saúde. Consequentemente, há uma diminuição na população rural e um aumento na população urbana.

Com a chegada de novos moradores nas cidades e o crescimento populacional, as moradias acabam sendo construídas em lugares totalmente sem planejamento. Outro problema na busca por emprego é que boa parte dessas pessoas não possui boa formação e especialização. Siqueira (2012) [1] afirma que, devido à pouca escolaridade, as pessoas provenientes da agricultura não encontram empregos de qualidade. Tanto homens quanto mulheres enfrentam trabalhos exaustivos e mal remunerados. Os filhos também acabam renunciando aos estudos e da infância para ajudar nas despesas da casa, expondo-se a todo tipo de perigo.

Dessa forma, muitos buscam melhores condições de vida, mas se deparam com outra realidade, tendo que viver com uma qualidade de vida inferior à que possuíam no campo. Alguns ficam desempregados e vão morar nas periferias em condições de vida desumanas, sem o mínimo de higiene e segurança. Como consequência, por falta de oportunidades, surgem atividades ilícitas, o que, por sua vez, leva a um aumento da violência e da marginalização.

Para superar o êxodo rural, é necessário criar alguns mecanismos, sendo a agroecologia um dos meios de garantir a permanência das pessoas no campo. A agroecologia envolve uma diversificação das atividades agrícolas com a participação da comunidade local. Elas podem ser desenvolvidas por meio da agrofloresta e da agricultura orgânica. Nessa atividade, há geração de empregos devido à necessidade de maior mão de obra e aumento da renda com a comercialização local dos produtos obtidos. Além disso, ocorre o fortalecimento das comunidades e dos saberes tradicionais, incentivando os agricultores a produzirem alimentos saudáveis.

Uma maneira de iniciar esse processo é introduzir cursos técnicos em agroecologia no ensino médio. Esse curso proporciona mais conhecimento e especialização na área, tornando o ambiente da agricultura mais atrativo para os alunos e incentivando-os a desenvolver o espírito empreendedor, para que se tornem proprietários dos próprios negócios e não precisem migrar em busca de novas oportunidades


Referências

[1] SIQUEIRA, Volmir. Industrialização, Urbanização, êxodo rural, no Sudeste do Paraná. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), Unijuí-RS, 2012, 46 f. Disponível em:: https://www.yumpu.com/pt/document/read/18762320/tcc-volmir-de-siqueira-prontopdf-unijui>.

[2] Brasil Escola. Êxodo rural. Aula em Youtube, disponibilizada em 11 de julho de 2021. Disponível em: <https://youtu.be/X7xgn781lY8>.

[3] ROSSETTI, Daniela Paula. Agricultura familiar: aspectos motivadores do êxodo rural em Constantino – RS. 2013. 84 f. Monografia (Bacharel em Administração). Curso de Administração. Universidade de Passo Fundo, Sarandi, RS, 2013.




* Ingrid Cristina dos Passos e Igor Cassio dos Passos são acadêmicos da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientados pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Meu processo de alfabetização

Meu processo de alfabetização

Por Pauliana Soares dos Santos [1]



Tenho lembranças nítidas do meu primeiro contato com as letras. A casa era bem escura, já que não tínhamos energia elétrica, a iluminação era feita com a lamparina, movida à querosene. Meus pais, durante o dia, trabalhavam na lavoura, cultivando arroz, café etc. No período da noite, sentávamos na beira do fogão à lenha para ouvir as notícias pela rádio, pois não tínhamos TV. Afinal, naquela época, cerca de 20 anos atrás, quem possuía esse tipo de aparelho eram só as pessoas ricas. Meus pais não tiveram oportunidade de estudar, possuem a 3ª série do nível fundamental. Mas, mesmo assim, me incentivaram da forma que podiam.

Meu contato com a escrita foi em casa. Bem antes da matrícula na escola, meus pais me ensinaram a escrever meu nome. Com 6 anos ingressei na escola. Era bem longe, cerca de 3 km. E eu ia a pé para a escola e mesmo assim a alegria e empolgação de aprender coisas novas era tanta que a caminhada era satisfatória. A Bíblia foi o primeiro livro que conheci, pois minha mãe tinha uma desde criança. Assim, eu ia à igreja e passei a conhecer a Palavra de Deus.

Na escola, ouvia a professora contar historinhas, e tudo era mágico. Eu dizia que quando crescesse queria ser igual à tia Janete, minha primeira professora. O que eu mais gostava era das histórias em quadrinhos. E colorir, então, nossa, a hora voava!

Recordo-me também dos projetos de leitura que tinha na escola. Uma vez na semana a professora levava os livros e as revistas numa caixa de papelão e escolhia alguns livros para fazermos a leitura. Da 4ª série, o livro do qual me lembro até hoje é “O Mágico de Oz”.

No Ensino Fundamental tive ótimos professores que incentivaram a leitura. Eram bem rigorosos no critério de produção de textos etc. Todos os bimestres tínhamos que pegar livros na biblioteca e fazer resenha deles, para garantir que tínhamos realmente lido os exemplares. Participava de projetos de leitura, onde o interesse em ler despertava ainda mais.

Essa prática de leitura me auxiliou desde a minha infância até a pré-adolescência. Foi um aprendizado que me deu um arcabouço gigantesco, por meio do qual adquiri conhecimento. Quero aprimorar cada dia mais. Hoje, estou cursando uma faculdade que sempre sonhei, que espero concluir e repassar meu conhecimento, com muito carinho, para meus futuros alunos.



[1] Pauliana Soares dos Santos é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Cultura Indígena e Saberes Tradicionais

Cultura Indígena e Saberes Tradicionais

Gabriela dos Santos Cardoso e Ester Almeida da Cruz *

É importante falar das lutas que os povos indígenas enfrentam há tantas décadas, pois a guerra pelos seus direitos ainda não acabou, e apesar de tudo que enfrentam continuam com suas culturas e saberes. Não é através da vitimização que se vai começar a respeitar os povos indígenas; é preciso conhecer e admirar as belezas de sua vasta cultura. Eles criaram o seu próprio mundo com o cultivo de vegetações, extração de mel e a caça de animais. Com isso, também têm conhecimentos sobre a floresta e a sua religião, que rege os seus modos de vida e a maneira de ver o mundo. Têm muito a nos ensinar, e assim, a valorização da cultura e dos saberes tradicionais.

Um conhecimento indígena que a maioria das pessoas conhece em relação à culinária é o uso da mandioca em nossa alimentação, o famoso “beiju” ou tapioca, que tem origem indígena e que hoje já foi gourmetizado na sociedade; muitos nem sabem qual é a origem dessa iguaria. É importante conhecer para desconstruir a ideia preconceituosa de que os “índios” são incapazes de manter a sua própria sobrevivência e precisariam dos brancos para ensinar a eles como viver. Mas a luta é contínua e incessante pelo respeito à sua cultura, religião e terra.

O documentário “A Última Floresta” mostra um pouco da história dos povos Yanomami através do ponto de vista deles. É um documentário co-escrito por Davi Kopenawa [1], líder Yanomami que luta para manter sua cultura, seu povo e sua terra. O líder indígena Dário Kopenawa, Vice-presidente da Hutukara Associação Yanomami, luta pelos direitos de seu povo e contra o garimpo ilegal e o desmatamento das florestas em território indígena (KOPENAWA; ALBERT, 2015, p. 547).

Os principais saberes indígenas estão ligados à compreensão que eles têm da natureza, que se manifesta no trabalho, na medicina, na construção das casas, na comida e nas bebidas, nas festas e ritos, e até na língua. Os povos indígenas organizam seus conhecimentos através da cosmologia ancestral, que garante e sustenta a possibilidade de vida. A base primordial para eles é a natureza/mundo (VIVEIROS DE CASTRO, 2015, p. 29) [2].

No ano de 2019, Alessandra Korap do povo Munduruku [3], do Tapajós no Pará, alertou o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro e o Congresso sobre o genocídio que estava acontecendo em terras indígenas, como líderanças de outros povos já estavam denunciando há muitos anos.

Em janeiro de 2023, saiu na mídia a morte de 570 crianças Yanomami ocasionadas pela fome, pelo descaso do governo e pela ganância de madeireiras e garimpeiros ilegais, segundo o Ministério da Saúde. Em 2022, foram registrados 11.530 casos de malária no DSEI Yanomami, resultado da falta de acesso a serviços básicos de saúde, somando isso à prática de garimpo ilegal, que espalha produtos tóxicos pelos rios, fonte da água que eles usam no dia a dia. No dia 20 de janeiro de 2023, o presidente Lula e ministros estiveram em Roraima para tomar algumas medidas a fim de amenizar os danos causados (ANDRADE, 2023) [4].

Dentre as ações, foi declarada Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, criado o Comitê de Coordenação Nacional para o Enfrentamento à Desassistência Sanitária, distribuídas 5 mil cestas básicas e 200 latas de suplemento alimentar para crianças. A constituição de 1988 diz no artigo 231: [5]

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens (BRASIL, 1988).

Infelizmente não vemos esse artigo ser levado a sério e com rigor. O Brasil está sendo, cada vez mais, devastado pelo extrativismo selvagem, pelas queimadas de florestas para transformá-las em carvão, ou abrir pasto para o gado, cana ou soja pelo agronegócio e pela exploração mineral. Na prática, muitas terras indígenas estão invadidas e os povos nelas encurralados, não têm contato com políticas governamentais de suporte à exploração em moldes sustentáveis (SOUZA LIMA; CASTILHO, 2013, p. 66) [6].

Há de se conscientizar a população sobre a situação, sobretudo a partir das escolas. A Lei 11.645 de 2008, no artigo 26, regulamenta que, nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, públicos e privados, “torna-se obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena”. A lei encontra o objetivo de criar cidadãos conscientes dos diversos aspectos da história e das lutas dos povos indígenas e negros, resgatando as suas contribuições nas áreas sociais, econômicas e políticas pertinentes para a história do Brasil, dando reconhecimento da amplitude, da relevância e da beleza da cultura dos povos indígenas.

Por fim, é necessário compreender e valorizar as múltiplas culturas que existem sem reduzi-las ao folclore, sem fazer com que pareçam fatos curiosos e sem importância. Aprender sobre a cultura indígena é bom para refletir sobre o respeito às diferenças e sobre o etnocentrismo, que é a desconsideração das especificidades de outra cultura.


Referências

[1] KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu. Palavras de um xamã Yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. Prefácio de Eduardo Viveiros de Castro. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

[2] VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Prefácio. In: KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã Yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015a, p. 11-41.

[3] MUNDURUKU, Daniel. Mundurukando 2: sobre vivências, piolhos e afetos: roda de conversa com educadores. UK’A Editorial, 2017.

[4] ANDRADE, Tainá. Terra Yanomani tem 11 mil casos de malária relacionados ao desmatamento. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2023/01/5067888-terra-yanomani-tem-11-mil-casos-de-malarias-relacionados-ao-desmatamento.html. Acesso em: 24 maio 2023.

[5] BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal, 2014.

[6] LIMA, Antonio Carlos de Souza; CASTILHO, Sergio Ricardo R. Povos indígenas, preconceito e ativismo político: A luta contra a percepção colonial dos indígenas no Brasil contemporâneo. Indígenas no Brasil: Demandas dos povos e percepções da opinião pública, p. 65-84, 2013.




* Gabriela dos Santos Cardoso e Ester Almeida da Cruz são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Da leitura à superação: a jornada da minha vida

Da leitura à superação: a jornada da minha vida


Por Paula Maria do Nascimento [1]

Quando criança, não era comum ter acesso a livros, pois minha família não tinha hábitos de leitura e eu não tinha acesso a quase nenhum livro fora da escola. Porém, houve uma época em que ainda era possível encontrar alguns gibis. Lembro que colecionava figurinhas e, quando ia na banca de jornal comprá-las, aproveitava e já comprava alguns gibis.

Porém, ao longo dos anos, isso tem sido um problema no meu desenvolvimento de aprendizagem. Quando estamos inseridos no meio onde as pessoas não têm hábitos de leitura, isso acaba nos prejudicando de alguma forma.

Eu nunca gostei de ler, nem de estudar, e passei anos desperdiçando meu tempo com futilidades que teoricamente só atrasaram a minha vida. Na época, eu podia sim estudar ou ter acesso aos livros, pois morava em São Paulo e lá tinha muito mais informações e disponibilidade de conteúdo do que em outras cidades. Mas acredito que isso era algo de família mesmo. No entanto, num belo dia, depois que percebi as consequências dessa herança, quebrei todas essas barreiras que estavam entre mim e o aprendizado.

Mudei para Minas Gerais, para uma cidade pequena chamada Cachoeira de Pajeú. Lá havia uma biblioteca pública (nunca tinha visto uma biblioteca antes), à qual administro e na qual trabalho hoje junto com uma equipe de professores e técnicos. Quando conheci essa biblioteca, fiquei perplexa com a quantidade de livros e histórias que tinham lá e ficava ainda mais curiosa, (claro, nunca tinha visto uma na vida).

Enfim, comecei a pegar livros de romance, como da Rosana Rios, Nora Roberts, Paulo Coelho e Daniele Steele. Mas antes disso lembro que tive uma fase um pouco mística. Tinha uma coleção da Eddie Van Feu (queria ser wicca; para mais íntimos, bruxa). Então, ao longo do tempo o romance foi perdendo o espaço para os livros mais didáticos. Eu precisava fazer um concurso público municipal e tinha que voltar a estudar as antigas matérias da escola, das quais já não lembrava mais. Fiz e passei. Dali em diante fiquei constantemente em desenvolvimento.

Comecei a buscar livros mais técnicos e especializações voltadas para área de Ciência de Dados e Aprendizado de Máquina, livros de investimentos, desenvolvimento pessoal e, por fim, os que julgava necessários. A questão é que eu demorei muito para entender a importância da leitura. A prática é linda, mas deve estar em conjunto nas nossas vidas. É importante que você conheça outros pensamentos e outras ideias. Como vivemos sempre correndo contra o tempo, a leitura ainda é limitada. É por isso que acredito veementemente que a leitura deve ser a base de tudo.



[1] Paula Maria do Nascimento é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Padrões de Beleza e Saúde Mental: Múltiplas Violências em Jogo

Padrões de Beleza e Saúde Mental: Múltiplas Violências em Jogo

Gessica Gomes de Almeida e Josilaine de Jesus Guimarães Cândido*

 

A pressão estética tem se tornado cada vez mais presente nos dias atuais, e os padrões de beleza têm exercido um impacto significativo na saúde mental das mulheres. Esses padrões são permeados por ideais considerados de perfeição e, politicamente, têm causado múltiplas violências nos corpos historicamente subalternizados.

Neste artigo de opinião, exploramos algumas camadas dessas múltiplas violências associadas aos padrões de beleza e seu impacto na saúde mental das mulheres. Lançar um olhar, coletar dados e compreender as diferenças entre a pressão estética e o conceito de fobia, que são distintos, torna-se cada vez mais necessário nesse cenário de globalização informacional. É importante ressaltar que fobias sociais, como o racismo e a xenofobia, são conceitos diferentes da pressão estética.

Aqui, lançamos um olhar atento sobre a questão de como nossos meios e modos têm se tornado tóxicos, influenciados por um novo imperativo de imagem perfeita, sabidamente inalcançável, que se apresenta aos nossos olhos. Existem questões estruturais, como o racismo, que promovem a segregação, opressão e discriminação sistemáticas. Nesse contexto, o preconceito acaba por dar origem a uma nova estrutura de sentimentos: uma estrutura racista.

Por outro lado, quando falamos de fobia, não estamos tratando de pressão. Uma fobia é um meio de restringir que corpos tenham acesso ou sucesso em determinados espaços. Devemos, portanto, encarar a fobia como algo que impede experiências e restringe o acesso a espaços sociais. Falamos aqui sobre a falta de um espaço acolhedor para um corpo, o que torna sua vivência, acesso e permanência naquele espaço mais difíceis. Essa questão é uma criação sistêmica, uma configuração sistemática que nos leva a ver o mundo de uma forma padronizada.

A pressão estética também envolve aspectos de descaso e negligência. Ambos os fenômenos são tóxicos e perigosos, mas são distintos porque um constrói subjetividades, enquanto o outro é resultado de um processo específico, originado de uma indústria capitalista. Estamos falando dos corpos subalternizados, que, por meio de um esvaziamento estético, são tornados públicos, sujeitos à ditadura estética imposta pelo capitalismo. As mulheres crescem em espaços que as excluem, intimidam, oprimem ou negligenciam, e elas desenvolvem a sensação de que precisam fazer mais para serem amadas. Nesse contexto, não basta ser bonita; é preciso ser a mais bonita. Não basta ser inteligente; é preciso ser a mais inteligente. Isso é algo que todos os corpos subalternizados enfrentam em maior ou menor grau.

Existe um sentimento e um fenômeno social de descartabilidade, e as redes sociais são uma armadilha perigosa em nossa era. Elas são impulsionadas por algoritmos que apresentam mais daquilo que se vê. Portanto, se você curte fotos de pessoas esteticamente aceitáveis, sua linha do tempo será inundada com conteúdo relacionado a emagrecimento, treinamento de academia e suplementos. O algoritmo prioriza corpos hipersexualizados e hiperpadronizados. Pesquisas indicam que as pessoas passam em média até 5 horas por dia nas redes sociais.

Quais são os reflexos psicológicos de ser exposto a corpos padronizados durante 5 horas por dia? Ser bombardeado por um algoritmo que só mostra essa interface da internet, o simbólico nas redes sociais, nos aplicativos de bate-papo e nas bolhas sociais?

Um estudo da Universidade do Oeste da Inglaterra [1], em parceria com a Dove sabonetes, examinou como as jovens meninas de até 13 anos se sentem em relação à internet. Em 2018, 55% dos médicos nos Estados Unidos relataram que os pacientes os procuravam porque queriam se parecer mais com os filtros do Instagram e ficar mais bonitos em selfies. Dados da Revista Forbes mostram que, desde o início da pandemia, houve um aumento de 20% no uso de aplicativos de alteração de imagem.

Nos Estados Unidos, existe um diagnóstico chamado BBB, que se refere à disforia corporal. A projeção é que um a cada 50 norte-americanos tenha desenvolvido essa anomalia, que envolve a incapacidade de se reconhecer e sentir-se bem em seu próprio corpo.

Além dos efeitos psicológicos, os padrões de beleza também estão intrinsecamente ligados a questões sociais e afetivas. Mulheres que não se encaixam nesses ideais enfrentam preconceito e exclusão, o que afeta sua saúde mental. Questões de raça, idade, peso e deficiência também contribuem para a multiplicidade de desrespeitos e aumentam as formas de violência enfrentadas pelas mulheres.

Como chegamos a um ponto em que não reagimos a essa imposição de padrões inalcançáveis? A análise aponta um caminho, e precisamos estar atentos e fortes para não sermos transformados em mercadoria e para que nossos corpos não sejam vendidos para nós mesmos. É urgente e necessário criar ambientes mais seguros e acolhedores, considerando a toxicidade que permeia as relações sociais na contemporaneidade. 

 

Referências

[1] Diedrichs PC, Atkinson MJ, Garbett KM, Leckie G. Evaluating the “Dove Confident Me” Five-Session Body Image Intervention Delivered by Teachers in Schools: A Cluster Randomized Controlled Effectiveness Trial. J Adolesc Health. 2021 Feb;68(2):331-341. doi: 10.1016/j.jadohealth.2020.10.001. Epub 2020 Nov 24. Disponível em: https://ichgcp.net/pt/clinical-trials-registry/publications/67195-evaluating-the-dove-confident-me-five-session-body-image-intervention-delivered-by-teachers-in




* Gessica Gomes de Almeida e Josilaine de Jesus Guimarães Cândido são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Ensinos de uma vida

Ensinos de uma vida

Por Patrícia Tatiane Jorge Moreira Sena [1]



Não tenho lembranças da minha primeira infância com livros, contos e histórias na minha, mas lembro-me que sempre rezava antes de dormir, tínhamos uma televisão onde assistia aos desenhos animados e um quintal de terra onde brincava muito com os meus irmãos mais novos.

Não me recordo onde aprendi a ler, a contar e a reconhecer dinheiro, mas sei que após aprender a ler, sempre estava na biblioteca da escola pegando livros emprestados para levar para casa. Quando estava na terceira série ganhei vários livros de contos infantis e quando estava no final do na letivo da quarta série ganhei um prêmio por ter sido a aluna que mais leu livros na sala de aula e feito resumos das leituras.

Eu tinha muita facilidade em aprender os conteúdos ensinados na sala de aula, quando estava no fundamental I os professores eram bem dedicados e criativos no ensino; diferente de quando fui para o fundamental II e ensino médio, não havia a mesma dedicação e disciplina no ensino. Isso não ajudou na minha aprendizagem com cálculos mais complexos e fórmulas, o que é rápido para alguns para mim pode levar horas.

Sou apaixonada por livros de romances e suspense, quando estou lendo sinto que posso ser qualquer pessoa e estar em qualquer lugar, e essa é a magia de um bom livro. Faz quatorze anos que me formei e nesse ano de 2023 começo a fazer minha primeira graduação na área de exatas, o que é irônico, pois sempre me dei bem em humanas. Me considero uma pessoa dedicada, esforçada e muito capaz para novos desafios.



[1] Patrícia Tatiane Jorge Moreira Sena é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Recursos naturais, sustentabilidade e povos originários

Recursos naturais, sustentabilidade e povos originários

Jeferson Santos de Oliveira e Wesley Albert Ferreira*

Desde o século XVI, quando os portugueses invadiram as terras indígenas em busca de riquezas pela primeira vez, conflitos socioambientais têm assolado o continente e nosso país. O sistema capitalista explora o ambiente de maneira não sustentável desde o período da colonização. Segundo estudos realizados pelo IPAA em janeiro de 2023, vários fatores confirmam a exposição dos povos indígenas aos malefícios dos crimes ambientais. Atualmente, nos noticiários, encontramos evidências do genocídio que os povos Yanomamis vêm sofrendo desde a posse do novo governo.

Além dos danos causados aos povos indígenas e ao meio ambiente, os incêndios e o desmatamento contribuem para o aumento do aquecimento global, gerando um considerável desequilíbrio ecológico. A amplitude desse assunto se estende por várias áreas, mas aqui nos concentraremos em destacar as situações que afetam os povos originários.

O direito ao usufruto das terras nativas pelos povos que nelas habitam é, acima de tudo, um direito legítimo consagrado nos dispositivos jurídicos; portanto, qualquer exploração nessas áreas deve ser autorizada pelas instituições e, principalmente, estar em conformidade com o seu consentimento. O art. 231 da Constituição Federal de 1988 [1] defende essa pauta quando diz que

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à união demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens.

§ 3º O aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos os potenciais energéticos, a pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas só podem ser efetivados com autorização do Congresso Nacional, ouvidas as comunidades afetadas, ficando-lhes assegurada participação nos resultados da lavra, na forma da lei.  (BRASIL, 1988, grifo nosso).

Ainda sobre o direito à ocupação sociocultural dos povos indígenas, vale a pena ressaltar outro artigo da lei 231 na Constituição Federal [1], que trata dos saberes tradicionais e políticas públicas, conforme a seguir.

§ 1°. São terras tradicionalmente ocupadas pelos índios as por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições.

Nesse sentido, podemos perceber que é dever do Estado exercer a proteção ambiental, especialmente nos territórios indígenas. No entanto, o índice de exploração ilegal nesses territórios aumentou exponencialmente na última década, sobretudo no estado do Amazonas. Entre 2010 e 2022, houve o registro de cinco mil hectares de sua área devastada por garimpeiros, conforme as conclusões dos estudos de Silva e Cordeiro (2022, p. 25-32) [2] sobre terras indígenas. Diante disso, podemos imaginar a magnitude do conflito existente, uma vez que as comunidades estão enfrentando atualmente esse modelo capitalista, que prioriza o lucro em detrimento do direito de livre arbítrio dessas comunidades. Coloco “livre arbítrio” entre aspas, pois essas pessoas têm uma ligação muito profunda com esse território e, por isso, não aceitam a destruição de sua ancestralidade. Todo esse contexto levou a ministra dos povos indígenas, Sônia Guajajara, a declarar em rede nacional que “os indígenas estão em risco de sobrevivência devido aos crimes ambientais” [3].

No que diz respeito à tomada de território e ao desmatamento, os povos originários têm sido alvo de numerosos ataques e abusos de poder por parte de pessoas que se autodenominam proprietárias de suas terras. Grandes empresas ilegalmente desmatam essas vastas áreas e as convertem em monoculturas para exportação, como no caso da soja. Outras áreas na Amazônia são transformadas em pastagens para a criação de gado, enquanto outras sofrem com o garimpo ilegal. Todos esses ataques resultam na perda significativa da diversidade da fauna e da flora nativas.

Com base nisso, podemos compreender o tamanho do prejuízo causado a essas comunidades que dependem dessas áreas para obter grande parte de seus alimentos e seus remédios naturais, extraídos de plantas medicinais utilizadas na produção de chás caseiros para a cura de doenças.

Somente no final de 2020 é que medidas mais rigorosas dentro do Supremo Tribunal Federal foram estabelecidas para aqueles que exploram as terras sem autorização. Dessa forma, com o aumento da fiscalização nas áreas demarcadas, centenas de pistas de aviões ilegais, usadas para exportar minerais extraídos de garimpos, foram fechadas.

Além disso, através da Constituição Federal e do Estatuto do índio, foram implementados regimes de inclusão social para esses povos originários [4]. Embora essas ações foram empregadas politicamente e legitimaram várias pautas, ainda existem pessoas extremistas que violam tais leis. São comportamentos que geram conflitos. Para que haja diminuição da violência é necessária uma ação forte para mudar nosso sistema. Dentre as várias possibilidades, podemos começar apoiando as lutas dos povos originários, bem como conscientizando nossos jovens e toda a população sobre a importância dessas lutas. Só assim teremos cada vez mais pessoas dispostas a enfrentar as injustiças e construir o poder popular. Esperamos que as reflexões discorridas nestas linhas sirvam para abrir cada vez mais os olhos das pessoas que sofrem massivamente com violências, desrespeito, desigualdade, e várias outras injustiças.


Referências

[1] BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: Centro Gráfico, 1998.

[2] SILVA, Lucas Cordeiro. Terras indígenas: exploração do garimpo ilegal e suas consequências socioambientais. 2022. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

[3] Instituto de Pesquisa Ambiental do Amazonas: Documentário disponível no link https://globoplay.globo.com/v/11283413/

[4] SANTOS, André Leonardo Copetti; HOMERCHER, Pablo. Democracia, descolonização e ações afirmativas de inclusão política dos povos originários. Revista de Estudos Jurídicos da UNESP, v. 18, n. 27, 2014.



* Jeferson Santos de Oliveira e Wesley Albert Ferreira são acadêmicos da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientados pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Relembrando a trajetória do meu aprendizado

Relembrando a trajetória do meu aprendizado

Por Paloma Fagundes Serqueira [1]


Minha infância foi muito humilde e muito feliz. Cresci em uma zona rural, cujo nome é Bom Jesus, município de Monte Azul-MG, lugar de pessoas simples e muito acolhedoras. Morava bem perto da escola local. Mesmo sendo filha de pai analfabeto, minha vontade de aprender começou ainda muito nova. Aos 5 anos de idade comecei a ir à escola. Amava e não faltava nenhum dia. Nesse mesmo ano aprendi a ler. Minha mãe teve pouco estudo, mas sempre incentiva minha irmã e eu a estudarmos.

A escola só tinha duas salas. Por isso, estudavam duas turmas de série diferentes na mesma classe. Tinha uma professora chamada Terezinha, que era muito rígida e dava aula de ditado fora do horário escolar, e isso fez com que minha leitura e escrita ficassem cada vez melhores.

Ainda menina, com 7 anos, idade em que começava a catequese, também comecei a ajudar na igreja. Todos os domingos eu lia as preces. Foi quando tive um contato maior com a leitura, pois na escola não tinha biblioteca e o material usado eram somente as folhas que a professora entregava, xerocada nas máquinas conhecidas como mimeógrafos. Amava ajudar a professora. Sempre ficava aquele cheirinho de álcool.

Quando mudei para a quinta série, tive que trocar de escola, que ficava a 7 km de casa. Acordava todos os dias às 6 horas da manhã. Foi assim durante os 4 anos do Ensino Fundamental. Foi nesse período que descobri a aptidão pela Matemática, que era minha matéria predileta.

Para estudar no Ensino Médio era necessário ir todos os dias para a cidade. Eram 17 km só de ida. Foi um período muito cansativo. Porém, foi nesse tempo que mais me apaixonei pela leitura. No primeiro ano do Ensino Médio fiz amizades competitivas. Fazíamos competições para ver quem ia conseguir mais no ano. Lembro-me que li o livro “Auto da Compadecida”, do autor Ariano Suassuna, em um dia. Sinto saudades disso. Nos outros anos acabei deixando a leitura um pouco de lado devido a ter me mudado para a cidade. Trabalhava de dia e estudava à noite. O tempo era muito corrido e quando estava em casa só queria dormir.

A cada degrau que elevava na grade escolar aumentava a distância que era necessário percorrer para chegar. Com a faculdade foi da mesma forma: eram 60 km todos os dias para estudar. Fiz faculdade de Engenharia Civil na cidade de Mato Verde-MG.

Enfim, para estudar sempre tive que passar por muitos desafios e dificuldades, porém continuo acreditando que o estudo muda a vida e que todo esforço que fiz valeu a pena. Por isso, entrei no curso de Licenciatura em Matemática da UFVJM. Sei que o desafio é grande, mas também sei que vou aprender muito, ansiosa por todo esse novo trajeto que vem por aí.



[1] Paloma Fagundes Serqueira é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Feminicídio no Brasil

Feminicídio no Brasil

Fernanda Antonina e Maria Araújo *

O feminicídio é um crime que resulta na morte de mulheres, imposto a mulheres exclusivamente por sua condição de gênero. Apesar da existência de leis destinadas a proteger as mulheres contra crimes, essas leis não conseguem prevenir o feminicídio. As mulheres estão constantemente sujeitas a diversos tipos de violência em vários contextos, incluindo locais públicos e privados, no trabalho, nas ruas e, especialmente, em casa, por meio da violência doméstica, que frequentemente é perpetrada por seus parceiros atuais ou ex-parceiros.

Os números são grandes como mostra a matéria realizada pelo site do G1.

No primeiro semestre de 2022, 699 mulheres foram vítimas de feminicídio no Brasil, média de quatro mulheres por dia, de acordo com dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública obtidos com exclusividade pelo g1, Globo News e TV Globo. O número é o maior já registrado em um semestre e ocorre no momento em que o país teve o menor valor destinado às políticas de enfrentamento à violência contra a mulher.[1]

Apesar de existirem leis que protegem as mulheres, como a lei Maria da Penha e a lei do feminicídio, que entrou em vigor em 2015, os dados indicam que tais medidas não estão impedindo que os crimes aconteçam, pois é cada vez maior o número de ataques, denúncias e mortes de mulheres registradas no país.

No Brasil, o número de feminicídio cresceu cerca de 5%, se compararmos os anos de 2021 e 2022 . Diariamente, os noticiários de TV nos apresentam dados alarmantes, destacando, entre eles, casos recorrentes de mulheres sendo agredidas e mortas por seus companheiros e ex-companheiros, que, na maioria das vezes, não conseguem aceitar o fim do relacionamento e acabam cometendo crimes brutais contra elas.

Esses dados incluem mulheres de diversas idades, classes sociais e regiões, considerando que a violência afeta até mesmo mulheres que vivem em áreas rurais. Essa realidade torna o combate à violência ainda mais desafiador em certos casos, uma vez que a falta de informação em muitas regiões dificulta as denúncias e até mesmo a atuação da polícia e de outros órgãos de proteção.

A dificuldade de atuação policial pode ser agravada pelo fato de a vítima muitas vezes não saber reconhecer quando está sendo vítima de agressão. Isso ocorre porque, em muitos casos, mulheres criadas no campo têm uma interpretação de vida diferente, frequentemente associada à ideia de que o homem é a figura dominante em casa.
Consequentemente, muitas mulheres são vítimas frequentes de agressões por parte de seus companheiros, e a situação é ainda mais preocupante quando não contam com o apoio de seus pais, que também podem ter sido criados em uma cultura machista, na qual os homens são ensinados a acreditar que têm o direito de fazer o que quiserem. Essa mentalidade é transmitida de geração em geração, tornando-se algo que é considerado normal.

Essa situação representa um sério problema, pois coloca as mulheres em uma posição de submissão em relação aos homens. Por isso, é de extrema importância que a educação inclua temas como igualdade de gênero, pois isso ajudará na compreensão do papel e da importância das mulheres na sociedade, bem como no respeito ao próximo. Contribuirá para a criação de um mundo melhor, onde as mulheres serão tratadas com respeito e igualdade.

Apesar de vivermos em um país onde existem diversas leis que visam assegurar e proteger as mulheres, como a Lei do Feminicídio (Lei nº 13.104, de 2015), continuamos a presenciar inúmeras reportagens e artigos carregados de dados mostrando que essas leis de alguma forma não estão funcionando. Se estivessem surtindo efeito a realidade seria bem diferente.

O que está errado? A resposta para essa e outras questões talvez seja a falta de investimento e o descaso do estado com relação às políticas e programas que de fato devem amparar as mulheres que necessitam de apoio. Um exemplo deste descaso aconteceu no governo do ex-Presidente Jair Bolsonaro, com a “redução expressiva do investimento em políticas públicas de enfrentamento à violência doméstica e familiar” , como noticiou o site do G1.

Os casos de feminicídio no Brasil cresceram ainda mais durante o período da pandemia do COVID-19, considerando que as pessoas tiveram que ficar isoladas em suas residências por medidas de segurança. Durante o período “o Brasil contabilizou 1.350 casos de feminicídio em 2022 , um a cada seis horas e meia, segundo o fórum brasileiro de segurança pública”, como traz informação do site CNN Brasil. Diante dessa triste situação, espera-se que o atual governo possa investir mais na proteção e na garantia de leis para as mulheres, para que assim esses números de crimes possam diminuir com a mesma intensidade com que cresceram nos últimos tempos.

Apesar de existirem leis que protegem as mulheres, como a lei Maria da Penha e a lei do feminicídio, que entrou em vigor em 2015, os dados indicam que tais medidas não estão impedindo que os crimes aconteçam, pois é cada vez maior o número de ataques, denúncias e mortes de mulheres registradas no país. 

No Brasil, o número de feminicídio cresceu cerca de 5%, se compararmos os anos de 2021 e 2022[2]. Diariamente, os noticiários de TV nos apresentam dados alarmantes, destacando, entre eles, casos recorrentes de mulheres sendo agredidas e mortas por seus companheiros e ex-companheiros, que, na maioria das vezes, não conseguem aceitar o fim do relacionamento e acabam cometendo crimes brutais contra elas.

Esses dados incluem mulheres de diversas idades, classes sociais e regiões, considerando que a violência afeta até mesmo mulheres que vivem em áreas rurais. Essa realidade torna o combate à violência ainda mais desafiador em certos casos, uma vez que a falta de informação em muitas regiões dificulta as denúncias e até mesmo a atuação da polícia e de outros órgãos de proteção.

A dificuldade de atuação policial pode ser agravada pelo fato de a vítima muitas vezes não saber reconhecer quando está sendo vítima de agressão. Isso ocorre porque, em muitos casos, mulheres criadas no campo têm uma interpretação de vida diferente, frequentemente associada à ideia de que o homem é a figura dominante em casa.

Consequentemente, muitas mulheres são vítimas frequentes de agressões por parte de seus companheiros, e a situação é ainda mais preocupante quando não contam com o apoio de seus pais, que também podem ter sido criados em uma cultura machista, na qual os homens são ensinados a acreditar que têm o direito de fazer o que quiserem. Essa mentalidade é transmitida de geração em geração, tornando-se algo que é considerado normal.

Essa situação representa um sério problema, pois coloca as mulheres em uma posição de submissão em relação aos homens. Por isso, é de extrema importância que a educação inclua temas como igualdade de gênero, pois isso ajudará na compreensão do papel e da importância das mulheres na sociedade, bem como no respeito ao próximo. Contribuirá para a criação de um mundo melhor, onde as mulheres serão tratadas com respeito e igualdade.

Apesar de vivermos em um país onde existem diversas leis que visam assegurar e proteger as mulheres, como a Lei do Feminicídio [3] (Lei nº 13.104, de 2015), continuamos a presenciar inúmeras reportagens e artigos carregados de dados mostrando que essas leis de alguma forma não estão funcionando. Se estivessem surtindo efeito a realidade seria bem diferente O que está errado? 

A resposta para essa e outras questões talvez seja a falta de investimento e o descaso do estado com relação às políticas e programas que de fato devem amparar as mulheres que necessitam de apoio. Um exemplo deste descaso aconteceu no governo do ex-Presidente Jair Bolsonaro, com a “redução expressiva do investimento em políticas públicas de enfrentamento à violência doméstica e familiar”[4], como noticiou o site do G1. 

Os casos de feminicídio no Brasil cresceram ainda mais durante o período da pandemia do COVID-19, considerando que as pessoas tiveram que ficar isoladas em suas residências por medidas de segurança. Durante o período “o Brasil contabilizou 1.350 casos de feminicídio em 2022[5], um a cada seis horas e meia, segundo o fórum brasileiro de segurança pública”, como traz informação do site CNN Brasil. Diante dessa triste situação, espera-se que o atual governo possa investir mais na proteção e na garantia de leis para as mulheres, para que assim esses números de crimes possam diminuir com a mesma intensidade com que cresceram nos últimos tempos.


Referências

[1] https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2022/12/07/feminicidios-batem-recorde-no-1o-semestre-de-2022-no-brasil-quando-repasse-ao-combate-a-violencia-contra-a-mulher-foi-o-mais-baixo.ghtml

[2] https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/2023/03/08/brasil-bate-recorde-de-feminicidios-em-2022-com-uma-mulher-morta-a-cada-6-horas.ghtml 

[3] https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13104.htm 

[4] https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2022/12/07/feminicidios-batem-recorde-no-1o-semestre-de-2022-no-brasil-quando-repasse-ao-combate-a-violencia-contra-a-mulher-foi-o-mais-baixo.ghtml

[5] https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/com-isolamento-social-brasil-registra-um-feminicidio-a-cada-6-horas-e-meia/




*Fernanda Antonina e Maria Araújo são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Autobiografia do meu letramento

Autobiografia do meu letramento

Por Moisés Santos Silva [1]


Antes de frequentar a escola, ao qual me lembro de mínimos detalhes, não era muito comum ver pessoas estudando e escrevendo. Revistas e folhetos notavam pessoas lendo. Lembro também dos livros de músicas partitura/teoria do meu pai, que era ilustrado com diversas imagens de instrumentos musicais, notas, dentre outros. Em casa, minha mãe sempre procurou me ensinar o básico, como números e letras; entretanto quando entrei na escola tive certa facilidade em continhas, como de somar e subtrair.

Sobre a escrita nas séries iniciais a caligrafia não era muito boa, e um pouco mais a frente depois de aprender a escrever, sempre escrevia uma ou outra palavra faltando letra. A escola teve o papel fundamental na minha vida.

Minha vida escolar sempre foi em escola pública, nunca fui um aluno de gostar muito de leitura, sempre tive comigo que compreendia mais observando, assistindo. Em todas as escolas que estudei tinha biblioteca totalmente equipada com vários tipos de livros, lembro que em uma determinada escola no ensino fundamental a professora, usava o horário dela para o aluno ir a biblioteca escolher algum livro do seu gosto ler e posteriormente fazer um resumo para ser apresentado na frente, sempre tive muita vergonha de falar em público, era uma emoção e tanto apresentar resumo/trabalho.

No ensino médio, os professores “pegavam mais no pé” e sempre distribuía livros para os alunos para lerem em casa. Pediam resumos em datas como a semana da consciência negra, promoviam a hora da leitura com livros nessa temática, apresentações de teatro, redações com diferentes temas propostos pelo docente, dentre outras atividades. Ainda no ensino médio conseguir identificar que o meu pensamento de apreender mais somente assistindo ou observando, era meio que uma “desculpa”, para não ler, e que com a leitura conseguiria aprender muito, e através dela ter facilidade na escrita e na fala.

Em relação aos gêneros textuais na universidade, ainda tenho um pouco de dificuldade, principalmente em artigos, algumas palavras que não sei o significado dentre a forma correta de ler um texto universitário, mas desde que iniciei o curso, em qualquer tempo disponível leio os materiais complementares, já com um dicionário ao lado, também de vez em quando faço leitura de alguns artigos que procuro no Google acadêmico, para já ir me familiarizando com esses novos gêneros textuais.



[1] Moisés Santos Silva é graduando da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Intolerância religiosa no Brasil

Intolerância religiosa no Brasil

Elizabeth Avelar de Freitas e Maria Isabel Beherendt*

A falta de empatia, a desinformação e o preconceito levam a ataques de alguns grupos religiosos contra outros. Nesse contexto, as religiões de matriz africana se tornam o principal alvo, principalmente do racismo, manifestando-se por meio de ataques físicos, verbais e psicológicos. Dados compilados pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa do Rio de Janeiro (CCIR) mostram que mais de 70% dos 1.014 casos de ofensas, abusos e atos violentos registrados no Estado entre 2012 e 2015 são direcionados aos praticantes das religiões de matriz africana [1].

O presente artigo aborda a intolerância religiosa e tem como objetivo, como o título adianta, afirmar que o Brasil é um país intolerante em relação às religiões de matriz africana. Busca-se, sobretudo, evidenciar a falta de empatia e respeito pelas escolhas do próximo, sendo o principal fator que perpetua essa intolerância o racismo. Isso ocorre devido à falta de conscientização e educação sobre questões raciais, bem como à manutenção de estruturas sociais que favorecem certas raças em detrimento de outras.

As religiões de matriz africana têm sofrido cada vez mais ataques racistas nos últimos anos, especialmente contra terreiros e seguidores dessas religiões.Dados do Disque 100, criado pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos, apontam 697 casos de intolerância religiosa entre 2011 e 2015, com a maioria registrada nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. No Estado do Rio, o Centro de Promoção da Liberdade Religiosa e Direitos Humanos (Ceplir), criado em 2012, registrou 1.014 casos entre julho de 2012 e agosto de 2015. Desses casos, 71% foram contra seguidores de religiões de matriz africana, 7,7% contra evangélicos, 3,8% contra católicos, 3,8% contra judeus e sem religião, e 3,8% foram ataques à liberdade religiosa de forma geral[2].

Não é coincidência que a maioria dos ataques sejam feitos às religiões de matrizes africanas, diante do racismo que se mantém irredutível da nossa sociedade. Ataques como esse são resultado dos esforços diários dos racistas em reafirmar que tudo que vem do negro não presta, gerando ataques contra as culturas e religiões de matrizes africanas. Alguns não se intimidam em atacar, independente da lei, como a Igreja Universal do Reno de Deus[3]. Como braço comunicacional da igreja, em outubro de 1999, o jornal Folha Universal estampou em foto de capa foto da Yalorixá Gildásia dos Santos e Santos, a Mãe Gilda. Ao lado da foto, a manchete era: “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”. A casa da religiosa foi invadida e seu terreiro foi depredado, como informa Tokarnia (2015), em matéria da agência Brasil.

A Constituição Federal, conforme disposição do art.5°, inciso VI, garante a todos os brasileiros o direito de professar sua religião de acordo com suas convicções pessoais, sem que haja qualquer tipo de discriminação ou embaraço[4]. No entanto, ainda vemos ataques como os apresentados.

Com a diversidade de culturas e de religiões que há no Brasil, caberia algumas medidas educativas, como por exemplo: a escola trazer conteúdos sobre as religiões de matrizes africanas, com exemplos e espaço para debates com pessoas dessas religiões dentro da sala de aula e realizar atividades de valorização de culturas afro-brasileiras. Além disso, a sociedade deve ter mais respeito pelas escolhas do próximo. A intolerância religiosa é uma prática racista que precisa ser enfrentada por todos nós.

Combater o racismo é essencial para a construção de uma sociedade justa e igualitária. A discriminação racial é uma grave violação da dignidade humana, que causa prejuízos individuais e coletivos, impedindo o desenvolvimento social, econômico e cultural. É papel de todos nós combater o racismo por meio da conscientização, educação e ações afirmativas. Devemos respeitar e valorizar a diversidade étnica e cultural, promover a igualdade de oportunidades e reconhecer a contribuição histórica e atual dos povos afrodescendentes para a sociedade.

Ao referirmos a uma sociedade igualitária, democrática e justa em nossas relações de convivência, não podemos ignorar a opção da crença escolhida por cada cidadão. A intolerância religiosa é algo que afeta todo o contexto de uma sociedade e, não somente apenas a uma religião única. Mas, no atual momento que se perpassa a sociedade a religião mais perseguida e afetada são as denominadas Afro-Brasileiras, entre elas o candomblé.  


Referências

[1 e 2] https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160120_intolerancia_religioes_africanas_jp_rm

[3] Tokarnia, Mariana. No Dia de Combate à Intolerância Religiosa, líderes alertam sobre discriminação. Brasília, 2015.  https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2015-01/no-dia-de-combate-intolerencia-religiosa-lideres-alertam-sobre

[4] BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.




* Elizabeth Avelar de Freitas e Maria Isabel Beherendt são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

De volta à infância, primeiros passos da minha educação

De volta à infância, primeiros passos da minha educação

Por Marcelo Rodrigues de Souza [1]



Eu sou o terceiro filho de uma família de cinco pessoas. Minha mãe, Rosangela Rosa de Jesus, e meu pai, Gerson Rodrigues de Souza, não conseguiram concluir seus estudos devido às dificuldades enfrentadas na vida rural. Desde a infância, eles trabalhavam para ajudar meus avós nas despesas e, consequentemente, tinham pouco tempo para frequentar a escola, que era distante e de difícil acesso.

No entanto, quando mudamos para a cidade, meus pais fizeram todos os esforços para garantir que eu recebesse uma educação de qualidade, apesar de não saberem ler e escrever. Eles trabalhavam fora de casa durante todo o dia, mas matricularam-me em uma creche aos quatro anos de idade, onde tive meu primeiro contato com textos escritos. Lembro-me com carinho da minha professora da educação infantil, Olímpia, que contava histórias ilustradas, fixadas em um varal. Mesmo sem saber ler, eu prestava atenção às histórias para descobrir qual imagem seria fixada no varal.

Nos primeiros anos de minha educação, tive acesso a histórias clássicas como “Chapeuzinho Vermelho” e “Os Três Porquinhos”. Na terceira série do ensino fundamental, minha professora Rosalina ficou impressionada com meus desenhos ilustrando a história do “Patinho Feio”.

Nunca tive dificuldades com os números. Eu e meus irmãos e vizinhos brincávamos de contar pedrinhas e de jogá-las para o alto. Brincávamos de vender coisas, e cada um de nós tinha sua própria lojinha no quarto. Como ainda não sabíamos escrever aos 5 anos de idade, eu e meus irmãos tiveram a ideia de contabilizar tudo com feijões.

Ao chegar à escola, notei que o professor usava minhas atividades diárias como exemplos para explicar problemas matemáticos, como calcular a quantidade de pães que minha mãe havia pedido no mercado. Eu comecei a perceber que a matemática e a escrita estavam em todos os lugares.

Ao final do ensino fundamental, me apaixonei pelas histórias de Monteiro Lobato, que abordavam mitologia grega, como “O Minotauro” e “Os Doze Trabalhos de Hércules”. Essas histórias me ajudaram a compreender que há um mundo enorme a ser explorado.

As escolas em Malacacheta, minha cidade natal, possuíam bibliotecas repletas de livros incríveis e incentivavam a leitura, promovendo rodas de conversa para que contássemos o resumo das histórias.  As práticas com números na escola me ajudaram a investigar os fatos ao meu redor, a refletir sobre bons hábitos financeiros e a buscar soluções para problemas do dia a dia.

Quando ingressei na UFVJM, encontrei o que procurava: reflexões sobre atualidades, preparação para enfrentar a vida e solucionar problemas como desemprego, contaminação dos rios e epidemias, que senti falta durante o ensino médio.



[1] Marcelo Rodrigues de Souza é graduando da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Agroecologia e Empoderamento Feminino no Campo

Agroecologia e Empoderamento Feminino no Campo

Juliana da Paz Ferreira*

A desigualdade de gênero e a violência contra a mulher são questões presentes em todos os lugares da sociedade, e na agricultura familiar não são exceção. Embora as mulheres representem uma parcela significativa da mão de obra na agricultura familiar, muitas vezes são excluídas dos processos decisórios e do acesso aos recursos e serviços essenciais. 

De acordo com Doss (2015) [1], as mulheres rurais são frequentemente excluídas dos processos de tomada de decisão e têm acesso limitado aos recursos produtivos, o que afeta sua produtividade e sua renda. A desigualdade de gênero na agricultura familiar pode ser observada em várias dimensões, como na divisão desigual do trabalho e dos valores atribuídos a ele, na ausência de programas de capacitação e assistência técnica voltados para mulheres e na baixa representação feminina em cargos de liderança em organizações e cooperativas rurais.

As mulheres geralmente são responsáveis pela maioria das tarefas domésticas e agrícolas, incluindo o cuidado dos filhos, a produção de alimentos e a criação de animais. No entanto, muitas vezes elas não têm voz ativa nas decisões importantes que afetam suas vidas e suas famílias. As mulheres frequentemente enfrentam barreiras para ter acesso a oportunidades e têm pouca representação nos espaços políticos e organizações sociais, limitando o potencial de crescimento econômico e sustentabilidade das comunidades rurais. As mulheres ainda ganham 19% a menos do que os homens no Brasil, de acordo com dados do IBGE.

Segundo a ONU Mulheres (2018) [2], a igualdade de gênero é um princípio fundamental da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e é essencial para alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável. A independência feminina no Brasil tem crescido cada vez mais, destacando o papel da mulher na sociedade machista em que vivemos desde o início até os dias de hoje. Os movimentos sociais são protagonistas no fortalecimento das mulheres, quebrando o paradigma das desigualdades, conforme retratado por Cornwall (2018, p. 3) [3]. O autor enfatiza o empoderamento das mulheres trabalhadoras e empreendedoras dedicadas às suas famílias. Essas mulheres desempenham papéis importantes para a subsistência e economia familiar, muitas vezes não sendo reconhecidas nem mesmo pelos membros de suas famílias.

A representação dessas mulheres na política reflete uma desigualdade de gênero estrutural e histórica que precisa ser combatida. Segundo Vieira e Pessôa (2015) [4], a invisibilidade das mulheres rurais nas políticas públicas e na sociedade em geral é um obstáculo para a promoção da igualdade de gênero no meio rural. A inclusão das mulheres nos espaços políticos é fundamental para que suas demandas e necessidades sejam levadas em consideração nas decisões públicas. Além disso, a presença feminina na política é importante para promover mudanças na cultura política e ampliar o debate sobre temas que afetam a vida das mulheres, como a igualdade salarial, a violência de gênero e o acesso à saúde.

A presença das mulheres na política serve como exemplo para as futuras gerações, inspirando outras mulheres a se envolverem na política e na luta por seus direitos. De acordo com dados atualizados em janeiro de 2023, no Brasil, a representatividade feminina é de 17,7% na Câmara dos Deputados e 17,8% no Senado Federal [5]. Em relação aos governos estaduais, a plataforma registra que apenas 2 das 27 unidades federativas são governadas por mulheres. Embora a participação das mulheres na política tenha aumentado nas últimas décadas, ainda há uma grande desigualdade de gênero e o aumento da violência contra a mulher, principalmente no âmbito familiar.

Há um ditado popular que diz, “em briga de marido e mulher ninguém mete a colher”. Mas o fato não procede; devemos interferir sim. O Brasil está entre os países que mais matam mulheres. Além disso, ainda existem mulheres que se violentam emocionalmente para agradar aos outros ou a alguém específico. A violência contra a mulher no contexto do campo é um problema real e grave. As mulheres que trabalham no campo frequentemente enfrentam discriminação de gênero, desigualdade econômica e violência física e sexual por parte de colegas de trabalho, empregadores e até mesmo familiares. A falta de políticas públicas específicas para as mulheres rurais, a falta de acesso aos serviços de saúde e educação e a ausência de uma rede de apoio fazem com que essas mulheres estejam mais expostas à violência.

Para combater a violência contra a mulher e promover o empoderamento feminino no contexto do campo, é preciso desenvolver políticas públicas que promovam campanhas de conscientização sobre a violência contra a mulher no campo, com o objetivo de sensibilizar as comunidades rurais sobre o problema e incentivar as mulheres a denunciarem a violência e buscar ajuda. Investir em programas de capacitação e formação profissional para as mulheres rurais, com o objetivo de ampliar as suas oportunidades de trabalho e aumentar a sua participação na economia local, para que elas possam investir em suas atividades econômicas e fortalecer sua independência financeira.

Por fim, conclui-se que as questões relacionadas à violência contra a mulher e ao empoderamento feminino no contexto do campo são extremamente importantes e urgentes, pois afetam muitas mulheres rurais em todo o mundo. A violência e a discriminação de gênero têm efeitos negativos não apenas sobre as mulheres, mas também sobre suas famílias e comunidades, limitando o seu potencial de contribuição para o desenvolvimento local e sustentável.

 


Referências

[1] Doss, C. (2015). Women and agricultural productivity: What does the evidence tell us? rticipação em organizações em Minas Gerais: um estudo de caso. Revista Brasileira de EJournal of Development Studies, 51(8), 1016-1031.

[2] ONU Mulheres. (2018). Transformando promessas em ação: Igualdade de gênero na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Brasília: ONU Mulheres.

[3] CORNWALL, A. Além do “Empoderamento Light”: empoderamento feminino, desenvolvimento neoliberal e justiça global. Cad. Pagu, Campinas, n. 52, e185202, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/18094449201800520002.

[4] Vieira, L. M. P., & Pessôa, V. B. (2015). Mulheres rurais e políticas públicas no Brasil. Revista Geográfica de América Central, 56E, 1-14.

[5] https://www.tse.jus.br/comunicacao/noticias/2023/Janeiro/tse-mulheres-portal-reune-estatisticas-sobre-eleitorado-e-participacao-feminina-na-politica




* Juliana Da Paz Ferreira é acadêmica da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foi orientada pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Hoje vida, amanhã histórias e para sempre memórias

Hoje vida, amanhã histórias e para sempre memórias

Por Karine Pereira de Azevedo [1]

Karine logo


Tudo começou em 24 de novembro de 1996, quando nasci em Capelinha, no interior de Minas Gerais. Meu pai morava em uma zona rural da cidade, conhecida como Pontal (área da Aperam, empresa que, na época, chamava-se Acesita), onde fui criada até meus oito anos de idade. No ano de 2003, fui matriculada em uma escola municipal da zona rural no Distrito de Vendinhas.

Como entrei com sete anos de idade, já no 1° ano. Não comecei na pré-escola como todos, Graças a Deus. Sempre tive um fácil aprendizado, pois tive o auxílio da minha mãe. Lembro-me como hoje: ela tinha um livro que continha as sílabas para apreender a ler, e a que não esqueço é da palavra PATO, que no livro dizia: P-A PA, T-O TO, juntando = PATO. Não sei como eu sempre falava outra palavra, tipo RATO, e nunca acertava. Daí levava uns puxões de orelha e começava tudo novamente.

Aos oito anos de idade nos mudamos para Capelinha. E olha que loucura: fui morar numa rua abaixo da escola E. E. Profª. Hermínia Eponina. Cheguei já no meio do ano e foi difícil acompanhar. Foi um pouco difícil a adaptação, mas consegui. E o tempo foi passando e quando estava no quarto ano descobri que não gostava muito de Português, não me adaptava, pois minha “praia” eram os números. Quando o professor chegava e pedia uma produção de texto, confesso que não sabia por onde começar.

Para se ter uma noção de como era complicado o meu português, na escola tinha a famosa “sexta-feira da literatura”, quando eu sempre pegava livros, mas do mesmo jeito que os levava para casa, voltavam. Eu não lia nem o nome. Certo dia, como era para fazer o resumo de um livro que eu havia lido, cheguei diante da bibliotecária e disse: “Tia, a professora disse que é para fazer o resumo de um livro. Porém, de todos que peguei, não li nenhum”. Ela conversou comigo e disse que para eu começar a ler, que eu teria que pegar um livro cuja capa me cativasse. Então, achei um: O Jardim Secreto. Não vou negar que desse eu gostei. Parece que eu que estava vivendo a história. Porém, foi o primeiro e único livro que li até hoje. Eu declaro que não gostava, e nem gosto de ler.

A escola me ajudou muito em relação à gramática e produção de texto, e eu via diferença nas minhas redações para o ENEM. Com o passar dos anos também fui percebendo que não precisava somente da matemática para sobreviver, precisava muito mais do português. Precisava da escrita, da fala, da comunicação mais eficiente, nas redes sociais etc.

Minhas notas de português, na escola, só melhoraram no Ensino Médio. Em exatas sempre tirei total como prova do meu destino. Em 2014 concluí o Ensino Médio e, concomitantemente, me formei no curso Técnico em Contabilidade, sendo que hoje faço faculdade de Ciências Contábeis. Me formo neste ano e já faz cinco anos que trabalho com contabilidade. E acreditem: para complementar meu trabalho no Departamento Fiscal, na Soma Contabilidade, agora estou cursando Licenciatura em Matemática. No dia 13/04/2023 irei me apresentar na maior feira de negócios da minha região, uma das mais importantes de Minas Gerais: a FEIRAGRO. E olha que incrível: vou precisar do português para fechar negócios para a minha empresa.



[1] Karine Pereira de Azevedo é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Assédio sexual de crianças e adolescentes no campo

Assédio sexual de crianças e adolescentes no campo

Elisete Martins da Silva*

 

Casos de abuso sexual são visíveis na sociedade, e os índices de crianças e adolescentes que sofrem ou já sofreram algum tipo de abuso sexual são alarmantes. Segundo a Ouvidoria Nacional de Direitos, houve registro total de 7.447 denúncias de estupro no Brasil nos cinco primeiros meses de 2022, sendo 5.881 das vítimas crianças ou adolescentes, ou seja, quase 80% das denúncias [1]

As porcentagens são preocupantes e os centros urbanos tendem a registrar mais os casos de abusos. Nas comunidades rurais também há casos de assédio sexual, porém o tabu costuma calar os envolvidos. O problema se dá pelas restrições de maiorias dos pais ou familiares responsáveis de falarem sobre o assunto com as crianças, por ser considerado constrangedor, por desconhecerem uma maneia adequada de se falar, por serem conservadoras como as igrejas que frequentam, ou outro motivo qualquer. Fato é que a cultura brasileira não educa as crianças para uma sexualidade saudável na vida adulta.

Todavia, as crianças devem ser educadas de maneira que saibam que partes do seu corpo não devem ser tocadas, o que é assédio sexual e como reagir a esse tipo de abordagem, para que, assim, possam relatar casos, responsáveis, tirar dúvidas etc. Certamente seria mais fácil para as autoridades lidar com esse tipo de crime.

As comunidades rurais são formadas por grupos de famílias que normalmente realizam trabalho no coletivo, pois há sempre uma família ajudando a outra na execução das atividades. Com essa proximidade, comunidades do campo tornam-se lugares convenientes para o assédio e até mesmo o ato do abuso sexual. Na rotina da roça, as crianças ajudam na mão de obra e, com isso, estão expostas ao agressor, visto que todos estão envolvidos nas atividades e não têm em mente que algo assim possa acontecer, principalmente pelo fato de todos ali presentes serem conhecidos.

As escolas devem, cada vez mais, levar orientações sobre assédio sexual e como agir em relação a isso. De acordo com Correia, do site Brasil Escola (2022)[2],

A Orientação Sexual oportuniza uma parceria com a família e abre um espaço para que educadores e pais atuem juntos na formação de crianças e de adolescentes, aproximando a família e a escola num processo de interação. Além de possibilitar discussões que favoreçam o ambiente familiar e de sala de aula, melhora o relacionamento entre pais e educadores garantindo confiabilidade ao trabalho educativo.  

A implementação de ações abrangentes e eficazes para combater o assédio e o abuso sexual de crianças e adolescentes requer uma abordagem multifacetada que envolva tanto o ambiente educacional quanto o sistema legal. No âmbito escolar, é fundamental estabelecer um diálogo contínuo sobre o assédio sexual, por meio de palestras ministradas por profissionais capacitados, que possam fornecer informações sensíveis e esclarecedoras. Além disso, a distribuição de cartilhas de conscientização pode contribuir para disseminar informações relevantes e instruir os alunos sobre a prevenção e os recursos disponíveis. Para complementar essas medidas, é crucial disponibilizar apoio psicológico tanto para os estudantes como para seus pais, criando um ambiente onde preocupações possam ser compartilhadas e tratadas de maneira confidencial.

No entanto, o fortalecimento da proteção das crianças e adolescentes contra o assédio e o abuso sexual não deve ficar restrito ao âmbito educacional. É imperativo que a legislação seja revista e aprimorada para garantir maior rigor e agilidade nos processos judiciais relacionados a esses crimes. As autoridades competentes devem ser capacitadas a analisar cuidadosamente as evidências e tomar decisões adequadas de forma célere. Além disso, uma abordagem preventiva de base familiar também é essencial. Os pais devem ser incentivados a dialogar abertamente com seus filhos sobre assédio sexual, fornecendo informações claras e orientações de segurança. Ao mesmo tempo, os pais devem estar atentos a possíveis mudanças de comportamento, uma vez que essas alterações podem ser indicativas de que a criança ou adolescente está passando por uma situação de assédio ou abuso, exigindo uma intervenção imediata e de apoio.

Por fim, a luta contra o assédio e o abuso sexual de crianças e adolescentes demanda ações conjuntas no âmbito educacional e jurídico, abrangendo desde a conscientização e o suporte emocional até a reforma das leis e a promoção de um ambiente familiar de diálogo e prevenção. Somente com a convergência desses esforços será possível proporcionar um ambiente seguro e protegido para as gerações futuras.

Referências

[1] <https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2022/junho/criancas-e-adolescentes-sao-79-das-vitimas-em-denuncias-de-estupro-registradas-no-disque-100>

[2] <https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/educacao/a-orientacao-sexual-deve-ser-uma-parceria-entre-escola-.htm>




*Elisete Martins da Silva é acadêmica da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foi orientada pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Minha jornada e a escola

Minha jornada e a escola

Por Juliana Cardoso da Silva Vieira [1]



A minha jornada na escola começou quando eu era bem novinha, em torno de 2 a 3 anos de idade. Minha mãe, na época, trabalhava em uma creche e, às vezes, me levava junto. Com essas idas com a minha mãe para a creche eu já ia aprendendo algumas letras, números, formas dos desenhos etc. Assim que cheguei à idade para ingressar na escola, eu já estava um pouco mais avançada que as outras crianças, pois já sabia escrever meu nome e já conhecia as letras e os números

Pelo fato da minha mãe ser professora, livros e revistas era o que mais tínhamos em casa. Lembro-me que na 3ª série (hoje, quarto ano) a escola liberava alguns livros que tivéssemos interesse em levar para casa e quando fôssemos devolver o livro, deveríamos contar um breve resumo de como era a história que foi lida.

Porém, foi aos 20 anos que eu realmente comecei a gostar da leitura. Foi quando eu comprei meu primeiro livro. Lembro-me que folheando uma revista de uma determinada marca fiquei super interessada nesse livro e acabei comprando-o. Comprei o primeiro livro de uma coletânea de 12 exemplares: “A Garota do Calendário”, da autora americana Audrey Carlan. Assim fui pegando gosto pela leitura. Fiquei tão apaixonada pela coletânea que completei minha coleção em apenas um mês.

Com minha primeira coleção de livros completa, me apaixonei por mais dois livros: “Você acredita mesmo em amor a primeira vista?” e “Você acredita mesmo em segunda chance?”, da autora brasileira Fabiana Santina. Fiquei tão apaixonada que adquiri seus livros autografados.

Quando finalizei meu segundo grau, em 2014, ingressei na faculdade para cursar Bacharelado em Direito. No início, até que estava gostando, porém era muito cansativo, pois tínhamos que viajar 170 km para outra cidade todos os dias, para poder concluir a magistratura. Com três meses de curso tive que trancar a faculdade por não me identificar com o que estava estudando e também por não conseguir pagar os estudos.

Contudo, tive essa grande oportunidade de estar cursando um ensino superior em uma universidade federal. O curso me abriu um leque de oportunidades e deixou meu dia a dia no trabalho mais fácil e seguro. Afinal, trabalhar com a rotina burocrática não é nada fácil.



[1] Juliana Cardoso da Silva Vieira é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

As dificuldades de uma gravidez na adolescência no campo

As dificuldades de uma gravidez na adolescência no campo

Por Joice Rocha Da Cruz e Leonel Lemes Pereira*

A gravidez na adolescência pode trazer grandes dificuldades na vida, especialmente para aqueles que vivem no campo. Quando uma adolescente engravida, ela pode enfrentar desafios financeiros, emocionais e sociais. No campo, essas dificuldades podem ser ainda maiores devido à falta de acesso a recursos e serviços essenciais. Financeiramente, a situação pode sobrecarregar a jovem e sua família. No campo, onde as oportunidades de emprego são limitadas, pode ser ainda mais difícil para a adolescente encontrar um trabalho estável que lhe permita sustentar a si mesma e ao seu bebê. Isso pode levar à dependência de ajuda externa, o que pode acarretar outras questões, como violência.

Segundo “Biblioteca virtual em saúde”[1], a gravidez precoce ocorre dos 10 aos 19 anos e é extremamente alta:

A taxa de gestação na adolescência no Brasil é alta, com 400 mil casos/ano. Quanto à faixa etária, os dados revelam que em 2014 nasceram 28.244 filhos de meninas entre 10 e 14 anos e 534.364 crianças de mães com idade entre 15 e 19 anos. Esses dados são significativos e requerem medidas urgentes.

É preciso ressaltar as causas da maior parte das gestações, como a falta de discussão sobre educação sexual, sobretudo em escolas que vêm sendo intimidadas por movimentos conservadores. O ensino sobre sexualidade é necessário não somente pela gravidez indesejada, mas também pela propagação de doenças sexualmente transmissíveis. É uma questão de saúde pública.

A evasão escolar é uma consequência, uma vez que a adolescente precisará cuidar de seus filhos. No campo, uma gravidez inesperada pode induzir ao êxodo rural, pois na necessidade de se manter, cais jovens e mães solo acabam abandonando a vida campesina em busca de trabalho nas cidades.

Socialmente, a gravidez na adolescência pode resultar em estigmatização, isolamento e adoecimento mental. No campo, onde as comunidades muitas vezes são pequenas e conservadoras, a adolescente pode enfrentar um julgamento severo por parte dos outros. Isso pode afetar sua autoestima e sua capacidade de se integrar socialmente, tornando mais difícil a busca por apoio.

É evidente a necessidade de refletir e discutir mais sobre essa situação, pois a omissão tem trazido consequências catastróficas. Muitas adolescentes estão passando por um período difícil, principalmente depois do COVID-19. Os casos de ansiedade só aumentaram, atingindo a maior parte da população jovem. Foi divulgada uma pesquisa chamada “Juventudes e a Pandemia: E agora?”, com o apoio da UNESCO e do UNICEF[2], na qual mais de 16 mil jovens foram entrevistados sobre saúde, educação, trabalho, democracia e redução das desigualdades. Para 63% dos participantes, a educação deve ser a prioridade dos governantes. Além disso, o fortalecimento do SUS, a recuperação econômica e ações contra a fome também são importantes. A pesquisa também mostrou que a saúde mental continua sendo afetada, com 63% relatando ansiedade e 47% solicitando acompanhamento psicológico na saúde pública.

Com todas essas questões, físicas, mentais e sociais, o apoio é essencial:

Na sociedade atual a adolescência é (…) uma etapa que exige um apoio maior por parte do poder público, família e sociedade em geral, que facilite a formulação de identidade, crescimento pessoal, intelectual, psicológico e de saúde (DIAS; TEXEIRA, 2010)[3].

A escola deve discutir e ensinar os alunos a se prevenirem e a terem uma vida sexual saudável. Uma outra discussão também importante é a violência sexual, que pode ser evitada a partir de educação sexual. Em acordo com toda essa discussão, torna-se necessário ter programas de prevenção da gravidez na adolescência e auxílio a adolescentes grávidas e mães solo. As secretarias de saúde devem atuar juntos às escolas, em parceria com outros agentes da comunidade que podem ajudar a diminuir o conservadorismo, os tabus e os preconceitos. O quadro só pode melhorar com a expansão do conhecimento sobre essa temática.

[1] https://bvsms.saude.gov.br/01-a-08-02-semana-nacional-de-prevencao-da-gravidez-na-adolescencia/#:~:text=Segundo%20a%20Organiza%C3%A7%C3%A3o%20Mundial%20de,com%20400%20mil%20casos/ano

[2] COVID-19: CRISE DE ANSIEDADE AFETARAM 63% DOS JOVENS NO ÚLTIMO SEMESTRE. Nações Unidas Brasil, 2022. Disponível em: <https://brasil.un.org/pt-br/201139-covid-19-crises-de-ansiedade-afetaram-63-dos-jovens-no-%C3%BAltimo-semestre>. Acesso em: 28 de março de 2023.

[3] DIAS, A. C. G. TEIXEIRA, M. A. P. Gravidez na adolescência: um olhar sobre um fenômeno complexo.2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/paideia/v20n45/a15v20n45.pdf>. Acesso em: 31 de setembro de 2023.




*Joice Rocha Da Cruz e Leonel Lemes Pereira são acadêmicos da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientados pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

A escola e mãinha

A escola e mãinha

Por Joice Chaves Ribeiro [1]



 Quando pequena, lembro-me de gostar de ir à escola, superanimada com a bolsinha de elefante, uniformizada e contente. Lá, sempre esteve presente como educadora, minha mãe, a referência de toda a minha vida. O contato com os livros, principalmente os de alfabetização, era comum, pois mãinha (forma como a chamo) dava aula para o magistério, preparando profissionais da educação infantil. Naquele tempo eu gostava muito de sublinhar os textos e atividades que eram passadas no mimeógrafo, vivenciando uma fantasia que levaram à autonomia na escrita e na leitura.

Na pequena cidadezinha de Bertópolis, divisa com a Bahia, foi onde iniciei minha vida escolar em 1996. Lembro-me das cartilhas nas quais havia pequenos textos ilustrados e organizados por ordem alfabética, da professora sorridente, dos colegas queridos e dos assombrosos ditados que eu morria de medo, pois apesar de gostar muito da escola, não conseguia acompanhá-la. Tive muita dificuldade com a leitura, consequentemente, não tinha um bom desenvolvimento com a maioria das disciplinas, isso foi mudando, quando na escola descobriu o meu problema de visão em um dos projetos de saúde. Aqui, permaneci até a antiga segunda série. Em 1999, mudamos para Almenara em busca de novas oportunidades, já que minha mãe havia perdido seu trabalho, fomos obrigados a sair de lá, vimos então para Almenara – a princesinha do vale. 

Nesta nova etapa, consegui mais desenvolvimento na escola. Meu melhor período foi o quarto ano, no qual tive uma professora de português de cara fechada, rechonchuda, baixinha, com olhos bem fitados atrás daqueles óculos, que sempre nos observava as falas, pronta para corrigi o “nois vai” e empregava o plural que sempre engolíamos, pegava no pé, ela com paciência, me tirou da inércia de uma leitura fragmentada, mas ainda assim, continuava com medo do ditado.

Nos anos finais do ensino fundamental continuava com os mesmos problemas: má leitura e muitos erros na escrita.  O guarani, de Jose de Alencar, foi o primeiro livro grande que li, leitura difícil, termos antigos, leitura rebuscada, diferente do meu vocabulário, comecei então a entender que a literatura não era apenas estórias e sim histórias de um conjunto de críticas e protestos enraizados de acordo com o tempo.

Já no ensino médio obtive mais postura de aluna, visto que melhorei, entretanto, as notas vermelhas me acompanhavam. Em meio a tantos medos com pouco interesse pela escola, fiz o vestibular com o incentivo de mãinha e para a minha surpresa, passei na Unimontes (Universidade Estadual de Montes Claros) em 2015. No curso veio um mundo de possibilidades, tornando-me a terceira melhor aluna da turma, adquiri o gosto pelo saber mesmo tendo ainda muita dificuldade no aprender. Tive como modelo uma colega com deficiência visual que aqui tem o pódio de primeira melhor aluna da turma, ao seu lado consegui desenvolver como uma pessoa escolarizada assimilando a importância do conhecimento, no qual as pessoas conseguem encontrar de modo significativo um equilíbrio para viver de forma que não há empecilhos e desculpas para a busca da formação. Com 29 anos formei no curso da disciplina que mais sofri e tive medo, Letras/ Português. Passei a gostar de literatura e a buscar o hábito da leitura. A curiosidade tornou-se a minha melhor aliada.

Hoje já atuo na área da educação e, algo que nunca imaginei, aquela pessoa que foi minha referência, lá do início, que eu queria tanto orgulhá-la, é minha colega de trabalho, além de ser minha mãinha.



[1] Joice Chaves Ribeiro é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Agroecologia: por uma vida saudável no campo

Agroecologia: por uma vida saudável no campo

Por Elisama de Sousa Ferreira e Eliude de Sousa Ferreira*

Trazemos aqui algumas reflexões acerca da agroecologia para a promoção da saúde e sustentabilidade no campo. ressaltando a significativa importância da preservação do ecossistema. Isso contrasta com a abordagem da revolução verde, que preconizava a modernização das práticas agrícolas por meio do uso de fertilizantes químicos, agrotóxicos e a expansão das áreas dedicadas à monocultura.

Trazemos aqui algumas reflexões acerca da agroecologia para a promoção da saúde e sustentabilidade no campo. ressaltando a significativa importância da preservação do ecossistema. Isso contrasta com a abordagem da revolução verde, que preconizava a modernização das práticas agrícolas por meio do uso de fertilizantes químicos, agrotóxicos e a expansão das áreas dedicadas à monocultura.

A agroecologia ocupa um espaço central na promoção de um estilo de vida saudável. Seminários como o intitulado “Direito Humano à Alimentação Adequada, Agroecologia e Saúde: Políticas Públicas para o Futuro”, promovido pela Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz em colaboração com associações e a Articulação Nacional de Agroecologia, têm abordado temas relevantes. Tais eventos levantaram questões sobre a necessidade de criação de políticas públicas para combater a fome, melhorar a qualidade da alimentação, lidar com as mudanças climáticas e reduzir as desigualdades sociais, reconhecendo os impactos diretos desses fatores na qualidade de vida das pessoas.

Além disso, é imprescindível direcionar a atenção para o risco à saúde dos agricultores, que enfrentam a exposição a insumos industrializados diretamente, além da alimentação, o que pode ter sérias consequências imediatas para suas vidas. Da mesma forma, a utilização de agrotóxicos nas plantações pode impactar a saúde de toda a comunidade local. Isso ocorre porque esses produtos não se restringem apenas às plantas ou ao solo onde são aplicados, sendo levados pelos rios durante os períodos de chuva. Pesquisa FAPESP (2018) afirma que “cerca de 200 mil pessoas morrem anualmente no mundo vítimas de envenenamento agudo por pesticidas – basicamente trabalhadores rurais.” Ou seja: é crucial considerar o ciclo completo de produção e todos os envolvidos, dos produtores aos alimentados.

A agroecologia é uma alternativa que se contrapõe ao uso excessivo de insumos industrializados e reconhece a necessidade da interação ecológica para obter resultados satisfatórios. Como afirma Azevedo e Pelicioni (2012)[1]:

A agroecologia seria a produção de alimentos de uma forma que produzisse uma boa qualidade de vida no final da cadeia, qualidade de vida para as duas pontas; para o agricultor evitando o uso de agrotóxicos e contaminação e para o consumidor, da mesma forma, produzindo um alimento saudável. (p. 292)

Mesmo cientes de que os insumos usados na monocultura podem causar mal à saúde da população, comumente vemos pessoas dizerem que a agricultura familiar não dá conta de produzir alimentos para sustentar a população mundial. Quando na verdade o que falta é adesão à agroecologia afirma Legnaioli no texto “Agroecologia: o que é e características – eCycle” [2]. Para a autora, a prática agroecológica tem capacidade de produzir ainda mais do que o agronegócio, com possibilidade de resultados satisfatórios do ponto de vista econômico, ecológico e social.  “A produção agroecológica tem capacidade para produzir cerca de 6 % a 10% a mais que o agronegócio.”

Logo o que falta é mudança no nosso sistema de produção. Como toda mudança tem seu ponto de partida, podemos iniciar com o esclarecimento da população, atuando primordialmente no ambiente da sala de aula. Podemos propor atividades aos alunos para que eles ampliem seu conhecimento acerca da produção agroecológica, expondo seus benefícios e fomentando a adoção de práticas sustentáveis. Além disso, é possível promover iniciativas educacionais com a participação tanto dos pais dos estudantes quanto da comunidade em geral.

Nesse contexto, um programa que se destaca é o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) [3], que não só proporciona fonte de renda, mas também assegura que os agricultores tenham canais para comercializar suas colheitas. A resistência para aquisição de hábitos saudáveis pode se dar pela falta de conhecimento. Assim, o mais viável é possibilitar que a informação alcance nossas comunidades, a fim de termos mais pessoas preservando o meio ambiente e sua saúde.


Referências

[1] https://www.ecycle.com.br/agroecologia/

[2] Azevedo E, Pelicioni MCF. Agroecologia e promoção da saúde no Brasil. Ver Panam Salud. Pública. 2012;31(4):290-5.

[3] https://www.gov.br/mds/pt-br/acesso-a-informacao/carta-de-servicos/desenvolvimento-social/inclusao-social-e-produtiva-rural/programa-de-aquisicao-de-alimentos-2013-paa




*Elisama de Sousa Ferreira e Eliude de Sousa Ferreira são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Minha evolução em leitura e escrita

Minha evolução em leitura e escrita

Por Jhonatan Oliveira Rodrigues [1]



Carrego comigo um grande afeto pelos gibis da Turma da Mônica, pois foi através deles que ingressei no mundo da leitura. Não sei dizer ao certo o que mais me chamou a atenção. Pode ter sido as cores cativantes ou até mesmo os personagens, mas em resumo todo o conjunto da obra me causou um imenso interesse e admiração.

No meu primeiro ano do Ensino Fundamental I realizei o reconto da fábula da Cinderela. Com apenas cinco anos tive meu primeiro trabalho escrito exposto para toda a escola. Tão pequeno e já me sentia um grande escritor. Mas foi no quarto ano que realmente tomei gosto pela escrita, por meio do “Projeto Compõe”. Durante todo o ano tínhamos algumas horas semanais dedicadas ao projeto, que consistia na elaboração de poemas e poesias. Essa foi uma etapa essencial em minha formação.

A partir do Ensino Fundamental II até o Ensino Médio não tinha o hábito de leitura frequente. Sinceramente, nunca tive interesse por contos fictícios. Costumava ler livros desse tipo somente quando era necessário, ou seja, quando os professores passavam atividades, como, por exemplo, fichas literárias. Quando já estava próximo de formar, durante a pandemia, encontrei uma motivação para melhorar meu hábito de leitura: a busca por conhecimentos, os quais realmente poderia aplicar em meu cotidiano, principalmente voltados para a área de finanças.

Hoje, sou universitário. A leitura e a escrita (direcionada aos estudos) voltaram a fazer parte do meu cotidiano. Nessa nova etapa todo conhecimento adquirido ao longo da minha formação será aplicado e melhorado com todo o aprendizado que está por vir.



[1] Jhonatan Oliveira Rodrigues é graduando da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

Agroecologia e antirracismo

Agroecologia e antirracismo

Por Leiliane Pereira de Oliveira Lima e Maria da Solidade Antonio de Souza *

A agroecologia e importantíssima na luta contra o racismo, estrutural e enraizado em nossa sociedade. Ela traz consigo narrativas de luta, resiliência e superação de um povo que, por anos, sustentou e nutriu as famílias brasileiras por meio de práticas culturais e conhecimentos ancestrais, gerando uma produção diversificada de alimentos de forma sustentável.

Entretanto, a população negra ainda enfrenta marginalização, afastamento dos processos de socialização e ausência de representatividade nos sistemas de poder. Essa realidade é uma herança da escravidão, que mesmo após a abolição, privou a população negra de direitos básicos, refletindo na ausência de políticas públicas voltadas para os escravizados e a falta de reforma agrária.

As comunidades Quilombolas representam uma das formas de resistência ao sistema escravocrata. Suas práticas tradicionais enraizadas na agricultura camponesa constituem a base da resistência no Brasil. A abordagem com que eles interagem com a terra, coexistindo de maneira harmoniosa, transcende o tempo, enfrentando as intempéries impostas pelo agronegócio. Nessa perspectiva, destaca-se a relevância de harmonizar o trabalho com a terra, respeitando seus recursos naturais, evitando assim desequilíbrios ambientais. O resultado é uma produção de alimentos saudáveis e a manutenção sustentável dos ecossistemas, sem a devastação das florestas.

Todo esse processo de luta, resistência e dor contribuiu para fortalecer o embate contra o racismo no contexto rural. Esse movimento ganhou ímpeto no movimento agroecológico, onde o racismo emergiu como temática central nos âmbitos políticos, culturais e científicos. Esse movimento também tem promovido a união entre quilombolas e indígenas, que compartilham a luta por seus direitos. A pesquisadora Fran Paula, engenheira agrônoma e mestra em saúde pública, conduziu estudos voltados para os povos quilombolas e indígenas, revelando um alarmante padrão de pulverização aérea sobre essas comunidades. Esse cenário ameaça as práticas agrícolas ancestrais, dificultando a produção e o consumo de alimentos saudáveis.

Desde a época da escravidão, a população negra tem enfrentado diversas formas de opressão. O acesso à terra, moradia e educação foi negado, manifestações claras do racismo estrutural que permeia nossa sociedade. Esse racismo enraizado transparece nas estruturas de direito, economia, ideologia e política. Ele se manifesta de maneira evidente nas práticas cotidianas, permeando hábitos e discursos, muitas vezes de forma inconsciente. A construção do Brasil foi permeada por ideias racistas, o que moldou profundamente nossa sociedade.

Os dados presentes na pesquisa “Atlas da Violência”, publicada pelo IPEA em 2021 , revelam a triste realidade: uma pessoa negra tem maior probabilidade de ser vítima de homicídio do que uma pessoa não negra. A violência letal contra pessoas negras e pardas em 2019 foi 162% maior em comparação às não negras. Vale ressaltar que pessoas negras representam 77% das vítimas de homicídio no país. Essa violência perpetua a reprodução de vidas, culturas, histórias e memórias, sobretudo nos quilombos. Infelizmente, a luta pela demarcação de terras quilombolas e o acesso a políticas públicas reparatórias ainda enfrentam desafios substanciais.

Diante de todo cenário, é incontestável que a luta contra o racismo deve ser disseminada em todos os âmbitos e movimentos. As comunidades quilombolas e indígenas não podem mais ser silenciadas, tendo seus direitos e dignidade usurpados. A mobilização e conscientização desses povos evidenciam a intersecção entre a luta antirracista e a agroecologia. Ambos almejam a preservação e proteção do meio ambiente, bem como a prática de agricultura de maneira harmônica. Nesse sentido, é imprescindível enfatizar que discutir agroecologia e agricultura familiar é, por extensão, abordar a luta antirracista. O Censo Agropecuário de 2017 revela que a maioria dos produtores rurais do Brasil é composta por negros, sendo 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros provenientes da agricultura familiar.

Diante dessas reflexões, propõe-se ações voltadas à luta antirracista e agroecológica. Um primeiro passo seria introduzir esses movimentos nas escolas, promovendo palestras ministradas por entidades parceiras nessa batalha, como sindicatos de trabalhadores rurais, Emater e representantes de comunidades quilombolas e indígenas. Essas palestras teriam o intuito de elucidar os pontos abordados em cada argumento, contribuindo para disseminar o conhecimento sobre a história desses povos e seus direitos. Ademais, essa conscientização deve se estender às próprias comunidades quilombolas, indígenas e outras áreas rurais, a fim de empoderar essas populações, superando o medo, a falta de informação e os obstáculos que historicamente os impediram de reivindicar seus direitos.

Em síntese, a agroecologia está diretamente ligada à luta antirracismo, pois busca promover uma relação harmoniosa entre os povos e a terra, reacendendo práticas ancestrais e direitos usurpados. Nesse processo, a disseminação do conhecimento e a conscientização ganham proeminência, forjando uma sociedade mais justa, inclusiva e equitativa, onde as raízes da cultura e a dignidade de todos são preservadas.



*Leiliane Pereira de Oliveira Lima e Maria da Solidade Antonio de Souza  são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Reforma agrária e permanência no Campo

Reforma agrária e permanência no Campo

Por Edson de Souza Santos e Maria Eunice de Souza Franco*

Sempre haverá um povo com sede de trabalhar e fazer com que a terra cumpra sua função social, e isso só é possível com a garantia de que esse povo tenha acesso a essas terras. O campo é lugar de (r)existir, pois nele estão as nossas histórias, nossas marcas, nossas lutas.

No entanto, muitos moradores do campo têm experimentado desmotivação em relação à permanência nesses espaços, devido à inviabilidade de uma vida de qualidade nas pequenas propriedades. Observa-se a concentração expressiva de vastos territórios nas mãos de um grupo minoritário, enquanto a ampla maioria encontra-se desprovida de glebas. Aqueles que possuem uma fração de terra reduzida não dispõem das condições para gerar renda suficiente que lhes permita subsistir dignamente no campo.

Tal cenário propicia o êxodo rural. Como aponta Fonseca et al (2015, p. 234)[1]: “O processo de êxodo rural vem sendo ocasionado principalmente por parte da população da zona rural que saem do campo em busca de melhores condições de vida nas cidades, porém, esse processo gera vários problemas sociais”. Contudo, essa expectativa, muitas vezes, é apenas uma utopia, ou fantasia diante do desespero de quem vive com pouca ou sem nenhuma terra para tirarem o seu sustento. Esses, ao chegarem às urbes, deparam-se com uma realidade díspare, marcada por desemprego galopante, encargos onerosos e aquisições dispendiosas. Sem alternativa, ocupam áreas irregulares, propiciando o crescimento de favelas e o aumento da violência, entre outros dilemas.

Em face da frustração, muitos sucumbem à influência de substâncias entorpecentes, à prostituição, ao delito e a outras formas de criminalidade. Poderá ser resolvida essa mazela do êxodo rural? Será viável assegurar a permanência do homem no campo, coadunando qualidade de vida, dignidade e sustentabilidade? Acreditamos que seja possível sim, a partir de uma lógica agroecológica e a promoção da reforma agrária. Para diversas famílias, o campo ainda é o melhor lugar para se viver.

A reforma agrária seria uma solução na medida que se sabe que a principal causa do êxodo rural é a falta de terras para trabalharem e viverem com dignidade. No entanto, questiona-se por que o tema da reforma agrária não figura nas agendas do poder executivo, legislativo e judiciário. Estará tal omissão vinculada a um controle econômico e privado das políticas estatais? A morosidade na implementação das políticas de reforma agrária seria uma consequência da intervenção de agentes externos? É notório que a pauta da reforma agrária carece de protagonismo no âmbito político, possivelmente por não ser interessante aos grandes proprietários partilhar latifúndios entre os agricultores, principalmente aquelas componentes da “bancada ruralista”, conjunto de deputados e senadores que congrega os expoentes do agronegócio, ou seus representantes.

A reforma agrária emerge como alternativa promissora para os camponeses, incluindo ribeirinhos, quilombolas, indígenas e outros povos. Com acesso à terra, será possível trabalhar na perspectiva da agroecologia, com agricultura familiar, criação de peixes, apicultura, pecuária, entre outras alternativas de trabalhos. Acreditamos que o campo é lugar de (r)existir, e que nós povos campesinos, precisamos continuar lutando pelo acesso à terra.

A mobilização dos movimentos sociais ao longo dos anos 2000 conferiu impulso à luta pela terra. Conforme enfatizam Ferrante et al (2008, p. 28)[2], “o avanço da luta pela terra tem mantido a reforma agrária na pauta política do estado”, contudo, ainda não se concretizou integralmente. É imperativo enfatizar que a necessidade de reforma agrária transcende a mera posse de terra, abarcando também a disponibilidade de crédito, educação, saúde, habitação e todos os direitos correlatos, visando garantir uma vida digna e de qualidade no campo.

Diante destas questões, é preciso se pensar em políticas públicas e ações afirmativas imediatamente, como: incentivo à agroecologia; retomada dos territórios tradicionais e devolução às comunidades; assentamentos rurais e a reforma agraria. Essas são alternativas para o desenvolvimento sustentável, como prega a agroecologia. Com essas políticas, seria possível o reordenamento do uso das terras em benefício dos povos trabalhadores rurais e contribuir para sua permanência no campo, além de manter suas tradições.

Na comunidade desses autores, o Quilombo Marques, localizado no município de Carlos Chagas, houve uma significativa conquista em 22 de dezembro de 2022, quando obtiveram posse de parte de seu território. Por mais de uma década. A conquista representa a segurança de permanecer no território, especialmente para a juventude. Propicia, também, a prática da agroecologia, já que a terra oferece as condições necessárias, o que incentiva o desenvolvimento das lavouras. Com isso, viabiliza-se a sustentabilidade da terra e a geração de renda para a comunidade.

Em suma, a questão da permanência da população rural nas áreas agrícolas carece de ações coordenadas e políticas deliberadas. A efetivação da reforma agrária, associada ao fomento da agroecologia e à restituição de territórios tradicionais, aparecem como uma via promissora para a construção de um campo sustentável e economicamente viável, um espaço onde as comunidades possam não somente subsistir, mas também prosperar, preservando sua cultura e tradições.


Referências

[1]https://www.researchgate.net/publication/353243084_CAUSAS_E_CONSEQUENCIAS_DO_EXODO_RURAL_NO_NORDESTE_BRASILEIRO_CAUSES_AND_RURAL_EXODUS_AFTERMATH_IN_NORTHEASTERN_BRAZIL

[2]https://bibliotecadigital.economia.gov.br/bitstream/123456789/565/1/Reforma%20agr%C3%A1ria%20e%20desenvolvimento.pdf




*Edson de Souza Santos e Maria Eunice de Souza Franco são acadêmicos da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.

Eu e a educação

Eu e a educação

Por Jeovana Cardoso Vieira [1]



Em minha infância era comum ter acesso a textos e livros, tanto didáticos quanto infantis, devido ao fato de minha mãe ser professora de Português. Tenho muitas lembranças dela preparando suas aulas, folheando seu material para assim decidir qual o tema da aula do dia seguinte. Sempre tive muita curiosidade. Por isso, estava sempre ao seu lado. Foi ela quem me presenteou com meus primeiros livrinhos, e fazia questão de todas as noites lê-los para mim.

Antes de minha entrada na escola, já tinha conhecimento de muitas coisas. Com 3 anos já conhecia todas as letras do alfabeto e, consequentemente, já sabia escrever o meu nome. Mais adiante, o nome de meus pais, irmã, avó etc. Também conheci os números, e, assim, descobri que 1 + 1 era igual a 2, e que 1 real com 1 real seria igual a 2 reais. Assim, comecei a ter um pouco de conhecimento sobre o dinheiro e seu valor, pois eu sabia que a moedinha de 50 centavos era o valor do meu chocolate favorito.

Na escola, sempre fui a aluna que apresentava o trabalho do grupo, pois era melhor com a leitura e não tinha tanta vergonha de ir na frente da turma ler e explicar determinados temas. No Fundamental I e no Fundamental II, recordo-me que sempre trocava o horário do recreio pela biblioteca, pois adorava poder ajudar as bibliotecárias com os livros. No Ensino Médio, também trocava o recreio pelos livros, mas não pelos da biblioteca e sim pelos que eu mesma levava de casa. Admito que o hábito da leitura ajudou muito em minha vida escolar. Porém, não foi a escola em si que fez com que eu me apaixonasse pelos livros, e que assim fizesse eu ler um livro de mais de trezentas páginas em um único dia. Este mérito eu deixo a J. K. Rowling e sua saga de livros “Harry Potter” (2002 – 2007)”.

Minha matéria preferida na escola era Matemática. Era muito boa em Português e Literatura, porém meu coração era da Matemática. Fazia sentido para mim a prática com os números, e eu conseguia aplicá-las na vida real, em meu dia a dia.

Em meu primeiro ano de universidade noto as diversas coisas que deveria ter aprendido na escola, mas que não me foram ensinadas, como, por exemplo, declarar imposto de renda, fazer uma citação corretamente, quesitos econômicos e burocráticos, dentre outros. Acredito que devido a essa falha educacional eu possa acabar tendo dificuldades em administrar minha vida financeira futuramente. Contudo, sinto falta do que não aprendi e que possa ser de grande valia para minha vida acadêmica. Sei que a educação tem o poder de nos mudar e mudar o mundo, e espero fazer parte desta grande mudança durante minha trajetória como estudante.



[1] Jeovana Cardoso Vieira é graduanda da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziu este relato na disciplina Prática de Leitura e Produção de Textos, ofertada no primeiro semestre de 2023. A organização e edição do material foi feita pelo Projeto de Extensão Aula Digital.

Este trabalho foi orientado pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro, com as ricas contribuições na revisão e organização do tutor Marcos Roberto Rocha.

A revolução verde e o êxodo rural

A revolução verde e o êxodo rural

Por Madilene Geni Ferreira e Maria Flor De Maio De Jesus Silva*

A chamada “revolução” verde refere-se a um conjunto de mudanças que acarretou um problema estrutural na agricultura familiar, pois mudou o modelo de produção sem valorizar as culturas alimentares locais e diversificadas (Santilli, 2009) [1] . Com a promessa de resolver problemas e preservar a estrutura agrícola, a tal revolução chegou no Brasil por volta da década de 1960, porém promoveu o uso intensivo de insumos químicos na agricultura, contribuiu para o êxodo rural e a degradação ambiental.

Enquanto a agroecologia, na contramão, surge como uma alternativa para promover a agricultura sustentável e revitalizar o campo. Como afirma a autora Santili (2009) [1], “[c]om a chegada da revolução verde, a modernização do campo fez com que pequenos produtores fossem expropriados, dando lugar aos moldes empresariais de organização da produção.”

A nova estruturação trouxe efeitos negativos não são somente nas formas de produção, com a monocultura em substituição à diversificação e impactos ambientais, como também na alimentação, pois diminuiu a oferta de alimentos saudáveis e de qualidade, aumentando a fome no mundo. Esses são fatos importantes que as políticas públicas devem observar para assegurar alimentos de qualidade para todos e recursos para acabar com o êxodo rural. Outro ponto refere-se às relações de trabalho que sofreu mecanização e reduziu postos mão de obra.

A monocultura substituiu ecossistemas naturais e, com isso, tornou a produção agrícola mais vulnerável a pragas e doenças, desestruturou a mão de obra, as famílias envolvidas. Consequentemente, o mercado de alimentos, que tinha foco nos orgânicos, abriu espaço para mais alimentos transgênicos. Assim, as sementes que antes eram crioulas passam a ser transgênicas. As terras, que antes eram férteis para produção, tornam-se dependentes de adubos e fertilizantes químicos, que aceleram a produção para as exportações, mas esgotam a terra rapidamente. Esses fatores, combinados com a falta de incentivos para a permanência dos agricultores no campo, levaram a um êxodo rural em larga escala, com consequências sociais profundas.

A agroecologia surge como uma alternativa para promover a agricultura sustentável e revitalizar o campo. Ela é baseada em princípios de equidade, justiça social, sustentabilidade e respeito aos saberes e fazeres ancestrais dos povos do campo. Como explica Gusman and Molina (2005)[2] “O campesinato é, mais que uma categoria histórica ou sujeito social, uma forma de manejar os recursos naturais vinculados aos agroecossistemas locais e específicos de cada zona, utilizando um conhecimento sobre tal entorno condicionado pelo nível tecnológico de cada momento histórico e o grau de apropriação de tal tecnologia…”

A agroecologia propõe uma abordagem holística para a produção de alimentos, que considera a interação entre os seres humanos, os ecossistemas e as culturas, buscando sempre, promover a saúde da sociedade através de uma produção de alimentos de qualidade, garantindo a segurança alimentar. Busca, então, fazê-lo de forma sustentável, por meio não apenas de práticas agroecológicas, como a rotação de culturas, o uso de adubos orgânicos, o controle biológico de pragas e a integração lavoura-pecuária-floresta, mas também promovendo a conservação da biodiversidade, a revitalização e a valorização das culturas tradicionais do campo. Tudo isso fortalece a base familiar, o que fomenta a permanência das famílias no campo.

A participação do poder público, com iniciativas no desenvolvimento rural sustentável, tais com as agroecológicas que trazemos ao debate, pode promover a sustentabilidade ambiental, social e econômica, com inclusão social, redução de danos ambientais e nutricionais, oferta de alimentos saudáveis, garantindo a saúde da população. Dessa forma, são muito bem-vindas ações governamentais com enfoque agroecológico e fomento da agricultura familiar, tais como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA)[3] e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)[4], que ajudam os produtores a fortalecerem suas produções de alimentos sustentáveis e, ainda, refletirem acerca das potencialidades e limitações da agroecologia.

Mesmo que de maneira incipiente, a agroecologia se apresenta como alternativa de um modelo hegemônico do agronegócio, de forma a valorizar o trabalho rural, que é mais que produzir, mas é também cultura, modo de vida e de trabalho, onde se articula e apoia a resistência do campesinato e, sobretudo, a insubordinação do homem do campo e transformação estrutural no modelo que é utilizado no campo, como forma de valorizar a cultura e a resistência do camponês. A adoção de práticas agroecológicas é essencial para enfrentar os desafios da agricultura moderna e garantir a permanência dos agricultores no campo.


Referências

[1] SANTILI, Juliana Agrobiodiversidade e o direito dos Agricultores. São Paulo, Petrópolis 2009.

[2] GUSMÁN, E.S. & MOLINA, M. G. Sobre a revolução do conceito de campesinato, Expressão São Paulo, 2005.

[3] https://www.gov.br/cidadania/pt-br/acoes-e-programas/inclusao-produtiva-rural/paa

[4] https://www.gov.br/secretariadegoverno/pt-br/portalfederativo/guiainicio/prefeito/trilhas-100-dias-de-governo/pnae-2013-programa-nacional-de-alimentacao-escolar




*Madilene Geni Ferreira e Maria Flor De Maio de Jesus Silva são acadêmicas da Licenciatura em Educação do Campo (LEC), curso ofertado pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e produziram este artigo de opinião na disciplina Diversidade e Educação, ofertada no segundo semestre de 2022 (janeiro a junho de 2023). Foram orientadas pelo professor Carlos Henrique Silva de Castro.